Menu
Busca domingo, 11 de abril de 2021
(67) 99647-9098
TJMS abril21
Política

CPI do Cachoeira vai quebrar sigilos bancário e telefônico da Delta em MS

18 maio 2012 - 11h07Reprodução

A CPI do Cachoeira, que investiga a Construtora Delta e as ligações do contraventor Carlinhos Cachoeira com políticos e empresários, determinou a quebra de sigilos bancário, fiscal e telefônico da empresa nas filiais de Mato Grosso do Sul, Tocantins, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal.

Conforme o jornal O Estado de São Paulo, foi poupada a matriz da Delta, que está em processo de negociação de venda para o grupo J&F Participações, o proprietário da empreiteira, Fernando Cavendish, e os governadores de Estado. Foram convocados 51 parentes e pessoas ligadas ao esquema do contraventor Carlinhos Cachoeira.

A CPI aprovou a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do ex-diretor da Delta, Cláudio Abreu, que atuava na região Centro-Oeste. O diretor seria o elo da Delta com Cachoeira. Cláudio está preso vai depor na comissão no próximo dia 29.

Mato Grosso do Sul
Nos últimos anos, a Delta firmou contratos de R$ 164 milhões com o Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes). Conforme relatório divulgado pela CGU (Controladoria-Geral da União), as obras são nas rodovias 158, 262, 267, 163. Já o governo do Estado teve dois contratos com a empresa, no valor de R$ 51 milhões.

A Construtora Delta ainda recebeu R$ 27,8 milhões de emendas parlamentares de políticos do Estado.O valor corresponde a 48 emendas que a União empenhou para as obras, tocadas pelo Dnit. Ontem, a Delta Construções foi confirmada como vencedora da licitação para obras na BR-163, no valor de R$ 30 milhões.

A licitação tinha valor máximo de R$ 35 milhões. No dia 15 de março, a Delta venceu, com proposta de R$ 30,9 milhões. A empreiteira apresentou a terceira melhor proposta, mas as outras duas empresas foram desclassificadas por não atenderem critérios do edital.

A obra faz parte do Crema 1ª etapa (programa de recuperação das estradas federais). O prazo de execução é de 720 dias.

Laranja
Conforme denúncias, um dos laranjas da Delta, no esquema com Cachoeira, mora em Dourados. A empreiteira é suspeita de montar uma rede para lavar dinheiro numa triangulação com outra construtora, a Alberto e Pantoja Construções e Transporte Ltda.

Dentre os principais destinatários do dinheiro do esquema está Pedro Batistoti Júnior, tecnólogo e ex-funcionário da Delta no Estado. Laudos da PF atestam que ele teria recebido R$ 300 mil. Ele nega a acusação.

Via Campograndenews

APP JD1_android

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Bolsonaristas fazem carreata "pela família" e "contra o comunismo"
Política
Reinaldo apresenta Reforma Administrativa na Assembleia
Política
Pessoas com saúde mental afetada pela pandemia podem ter amparo do SUS
Política
Marun está deixando o conselho de Itaipu
Política
Câmara quer imprensa entre prioridades na vacinação
Política
Câmara aprova texto-base de projeto que permite empresas comprarem vacinas
Política
Bolsonaro quer criar Dia de Conscientização sobre Riscos do Aborto
Política
Vereadores criam CPI para esclarecer gastos da prefeitura de Dourados na pandemia
Política
Bolsonaro pretende ligar para presidente da Rússia para falar sobre Sputnik V
Política
Reinaldo sanciona o "Mais Social", que dará R$ 200

Mais Lidas

Polícia
Jacaré é capturado dando 'rolê' em cidade de MS
Internacional
Estados Unidos inicia vacinação contra a Covid-19 em Nova York
Polícia
Morador de rua tenta matar desafeto a pauladas no interior do Estado
Polícia
Briga por capacete acaba em tentativa de homicídio