Menu
Busca segunda, 17 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Política

Intervenção federal em Roraima começa nesta segunda

O decreto foi publicado no Diário Oficial da União e deve ser cumprido até o dia 31 de dezembro

10 dezembro 2018 - 09h05Da redação com Agência Brasil

A intervenção federal em Roraima começa oficialmente  nesta segunda-feira (10), com a publicaçao do o Decreto 9.602 no Diário Oficial da União. A norma traz detalhes da ação, que ocorre até 31 de dezembro. Por ordem do presidente Michel Temer, o governador eleito, Antonio Oliverio Garcia de Almeida, conhecido como Antonio Denarium (PSL), será o interventor no período.

Segundo o decreto, a intervenção federal em Roraima foi definida em decorrência do “grave comprometimento da ordem pública”, devido aos problemas relacionados à segurança e ao sistema penintenciário do estado.

De acordo com a norma, Denarium ficará subordinado ao presidente da República e não está sujeito às normas estaduais que conflitarem com as medidas necessárias à intervenção. A medida abrange o Poder Executivo do estado.

O interventor poderá requisitar a quaisquer órgãos, civis e militares, da administração pública federal, os meios necessários para a intervenção, ressalvada a competência do presidente da República para o emprego das Forças Armadas.

Decisão

Temer decidiu na noite de sexta-feira (7) pela intervenção no estado de Roraima, após reunião com ministros no Palácio da Alvorada e conversar com a então governadora Suely Campos. Segundo ele, esta é a alternativa para “pacificar” a situação no estado.

Agentes penitenciários do estado deixaram de trabalhar e policiais civis deflagraram paralisação de 72 horas em razão de meses de salários atrasados. Os policiais militares, que não podem fazer greve, receberam o apoio de suas esposas, que bloquearam as entrada e saída de batalhões como forma de protesto.

A intervenção federal no estado já havia sido pedida pela Procuradoria-Geral da República (PGR) em virtude do risco de rebeliões em unidades prisionais. Em seu pedido, a PGR descreveu situações, baseadas em relatórios do Ministério Público, como falta de separação entre detentos de regimes aberto, semiaberto e fechado, atraso no pagamento de salários de agentes penitenciários, fornecimento de comida azeda e insuficiente aos presos e falta de combustível para transportar os presos para audiências.

No sábado (8), os conselhos da República e de Defesa Nacional se reuniram para discutir a situação e ratificaram a decisão em favor da intervenção federal no estado de Roraima. Ontem (9) e sábado (8), em Boa Visita, Denarium fez reuniões extraordinárias com sua equipe de transição para definir as prioridades que serão apresentadas a Temer amanhã (11).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Após polêmica envolvendo seu nome, Levy pede demissão da presidência do BNDES
Política
Parecer da reforma da Previdência é bem recebido pelo mercado financeiro
Política
Nelsinho Trad é eleito presidente do PSD-MS
Política
“Governo é uma usina de crises", diz Rodrigo Maia
Política
Cabo Almi acredita em soltura de Lula e cancelamento da sentença
Política
Bolsonaro demitirá presidente dos Correios
Política
PSD discute planos para 2020 neste sábado
Política
Bolsonaro critica decisão do Senado de parar decreto de armas
Política
STF criminalizará homofobia como forma de racismo
Política
Santos Cruz cai e será substituído por outro general

Mais Lidas

Opinião
De dois erros não se faz um acerto
Polícia
Jovem é morta a tiros em Ponta Porã e corpo é encontrado em estrada
Geral
Após bater em rotatória, universitário capota veículo em Ponta Porã
Economia
Após Bolsonaro falar em demissão do presidente do BNDES, diretor renuncia