Menu
Busca terça, 22 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
Aguas - super banner
Política

Senado quer provar que não trabalha só três dias por semana

01 maio 2013 - 12h19Reprodução

A um ano e meio das eleições, os veículos oficiais de comunicação do Senado serão obrigados a divulgar a atividade dos parlamentares em seus estados de origem.

Informações produzidas pelas equipes de assessoria dos senadores (imagens, textos e áudios de inaugurações, por exemplo) nos redutos eleitorais serão veiculadas na TV, na rádio, na agência e no jornal do Senado.

Há mais de dez anos, os meios de comunicação da Casa divulgam as atividades realizadas dentro da instituição com material produzido por jornalistas próprios.

A mudança foi articulada pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), autor de projeto que regulamenta a divulgação das atividades parlamentares nos estados. Embora o texto defina que o conteúdo deva ser "apartidário, institucional, laico e sem conotação eleitoral", ele não impede que seja posteriormente utilizado em campanhas.

O projeto diz que "os gabinetes dos senadores serão responsáveis pelas informações e pelas imagens por eles fornecidas ao Senado".

Defensores do projeto afirmam que é preciso mostrar que o parlamentar tem intensa atividade no estado de origem e que seu trabalho não se restringe aos três dias normais de votação em Brasília, terças, quartas e quintas.

Modelo
De acordo com a Folha, integrantes da TV Senado consideram que a medida fere a legislação que criou os canais legislativos, que prevê autonomia da TV e da rádio na cobertura jornalística.

O novo modelo, segundo a Casa, não terá custos por ser produzido pelos gabinetes. A TV Senado vai divulgar programas diários, de até três minutos, inseridos ao longo do dia na programação.

A TV Senado pode ser captada em todo o território nacional por antenas parabólicas e é também transmitida na TV por assinatura.

O mesmo modelo será seguido pela rádio Senado. O jornal impresso da Casa, a exemplo da agência na internet, vai ter uma seção para divulgar as atividades dos senadores nos estados.

Distorção
Renan nega que o objetivo do projeto seja turbinar candidaturas eleitorais.

"O senador não trabalha só no Congresso, percepção presente no senso comum e reverberada de forma sistemática e equivocada por parte da mídia", afirmou. "Com os novos serviços, o senador poderá expor mais amplamente toda a sua agenda de atividades", afirmou.

Apesar de a medida ter o apoio da maioria dos congressistas, há um grupo que discorda da sua aprovação às vésperas das eleições de 2014.

"O parlamentar tem o direito à propaganda partidária. Não acho adequado a instituição fazer isso. A TV Senado deve cumprir um papel institucional, não propaganda", disse o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

O projeto tem de ser aprovado pelo plenário do Senado para entrar em vigor.

Isso deve ocorrer na semana que vem.

Via Folha

Deixe seu Comentário

Leia Também

Política
Em discurso na ONU, Bolsonaro nega incêndios criminosos no Pantanal
Política
AO VIVO: Bolsonaro discursa na ONU
Política
Conta no Twitter de Puccinelli é invadida por hacker
Política
Bolsonaro falará sobre a Amazônia em discurso na ONU; veja onde assistir
Política
Nelsinho convida Araújo para dar explicações sobre visita de Pompeo à fronteira
Política
Capital já tem registro de 4 candidatos à prefeitura
Política
OAB de MS não assinou apoio a presidente nacional
Política
Por unanimidade relatório de prosseguimento de impeachment de Wilson Witzel é aprovado
Política
Coronel David critica vídeo onde grupo joga futebol com "cabeça de Bolsonaro"
Política
Carlos e Eduardo Bolsonaro são intimados pela PF a depor sobre atos antidemocráticos

Mais Lidas

Agronegócio
Entre países, MS sozinho é o 14º maior produtor de milho no mundo
Internacional
Bebê nasce em voo e ganha viagens gratuitas para o resto da vida
Polícia
Três bandidos morrem em confronto com o DOF na fronteira
Polícia
“Nada disso pode ter acontecido”, diz delegada sobre criança baleada na capital