Menu
Busca segunda, 27 de maio de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

Mais de 1 milhão foram atendidos nas unidades de saúde da capital, em 2018

Levantamento revela que 70% dos atendimentos foram adultos e 30% pediátricos

03 janeiro 2019 - 17h33Da redação

De janeiro a novembro de 2018, as seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e quatro Centros Regionais de Saúde (CRSs) de Campo Grande registraram 1.063.566 atendimentos, segundo levantamento da Coordenadoria de Urgência e Emergência (CUR) da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

Se comparado ao mesmo período de 2017, quando foram registrados 1.030.982 atendimentos, percebe-se um crescimento de pouco mais de 32 mil. Confira no gráfico abaixo o comparativo mensal dos dois anos citados:

O levantamento ainda revela que o atendimento adulto representa mais de 70% do volume total, sendo menos de 30% pediátrico. O resultado também aponta número expressivo de pacientes atendidos nas unidades de urgência classificados como azul e verde, ou seja, de menor gravidade que, em tese, poderiam ter o caso resolvido na atenção básica, na prevenção de enfermidades. 60% dos atendimentos se encaixam nesta categoria.

Para o coordenador de urgência da Sesau, Yama Albuquerque Higa, esse é o reflexo da “urgencialização”. “O paciente tem por hábito procurar diretamente uma UPA e ou CRS, porque ele espera que lá seja atendido, tenha o problema resolvido e seja liberado. Porém, o uso correto dos aparelhos de saúde é extremamente importante.  Assim ele evita de chegar a uma unidade de urgência e ficar horas e horas para ser atendido, o que, consequentemente, gera desconforto e reclamação”, pondera. Para o coordenador, é importante que a população esteja sempre atenta à saúde, realizando exames com frequência e observando se sua saúde está em dia.

Classificação de risco

A classificação de risco é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência, que visa avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico.

O coordenador explica que a ferramenta é importante para definir a prioridade do atendimento e dar uma melhor assistência ao paciente que naquele momento está mais necessitado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Cuidado paliativo não é sinônimo de fase final de vida
A prática também é indicada para pacientes com probabilidade de cura
Saúde
Na capital grupo se reúne em WhatsApp e eliminam peso
Saúde
Apenas 65% do público alvo foi vacinado contra a gripe, na capital
Saúde
UPAs Universitário e Coronel Antonio atendem com pediatra nesta manhã
Saúde
Fisioterapeuta ministra palestra gratuita na capital
Saúde
Saúde da capital terá reforço de 31 médicos
Saúde
Onze pediatras atendem nesta manhã de quinta-feira
Saúde
Governo distribui medicação de alto custo para esclerose múltipla
Saúde
No sábado, Santa Casa realizará exames gratuitos de prevenção ao glaucoma
Saúde
Oito pediatras atendem em duas UPAs nesta manhã de terça-feira

Mais Lidas

Fim de Semana
Gasolina será vendida a R$ 2,50 em dois postos da capital neste sábado
Geral
Vídeo - Motorista chega empurrando o carro para abastecer a R$ 2,50
Polícia
Jovem é morto a machadadas por ex-cunhado na capital
Polícia
Motociclista tenta ultrapassagem e colide com ônibus na capital