Menu
Busca terça, 26 de março de 2019
(67) 99647-9098
TJMS março-19
Saúde

Mais de 1 milhão foram atendidos nas unidades de saúde da capital, em 2018

Levantamento revela que 70% dos atendimentos foram adultos e 30% pediátricos

03 janeiro 2019 - 17h33Da redação

De janeiro a novembro de 2018, as seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e quatro Centros Regionais de Saúde (CRSs) de Campo Grande registraram 1.063.566 atendimentos, segundo levantamento da Coordenadoria de Urgência e Emergência (CUR) da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

Se comparado ao mesmo período de 2017, quando foram registrados 1.030.982 atendimentos, percebe-se um crescimento de pouco mais de 32 mil. Confira no gráfico abaixo o comparativo mensal dos dois anos citados:

O levantamento ainda revela que o atendimento adulto representa mais de 70% do volume total, sendo menos de 30% pediátrico. O resultado também aponta número expressivo de pacientes atendidos nas unidades de urgência classificados como azul e verde, ou seja, de menor gravidade que, em tese, poderiam ter o caso resolvido na atenção básica, na prevenção de enfermidades. 60% dos atendimentos se encaixam nesta categoria.

Para o coordenador de urgência da Sesau, Yama Albuquerque Higa, esse é o reflexo da “urgencialização”. “O paciente tem por hábito procurar diretamente uma UPA e ou CRS, porque ele espera que lá seja atendido, tenha o problema resolvido e seja liberado. Porém, o uso correto dos aparelhos de saúde é extremamente importante.  Assim ele evita de chegar a uma unidade de urgência e ficar horas e horas para ser atendido, o que, consequentemente, gera desconforto e reclamação”, pondera. Para o coordenador, é importante que a população esteja sempre atenta à saúde, realizando exames com frequência e observando se sua saúde está em dia.

Classificação de risco

A classificação de risco é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência, que visa avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico.

O coordenador explica que a ferramenta é importante para definir a prioridade do atendimento e dar uma melhor assistência ao paciente que naquele momento está mais necessitado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Fumacê percorre 14 bairros nesta terça
Saúde
Três UPAs terão atendimento completo nesta tarde
Saúde
Pacientes classificados como “azul” em UPAS serão encaminhados para UBS’s
Saúde
Fumacê percorre 13 bairros hoje até às 22h30
Saúde
Segunda-feira tem atendimento completo em duas UPAS
Saúde
Leitor reclama da UBS do Jardim Botafogo
Geral
Preço e confiança faz com que medicamentos genéricos cresçam no mercado
Saúde
Imunoterapia para combate ao câncer de mama aguarda aprovação no Brasil
Saúde
Alimentação saudável no trabalho é essencial
Saúde
Ministério da Saúde faz campanha de alerta sobre tuberculose

Mais Lidas

Geral
Cantor sertanejo morre em acidente na BR-163
Polícia
Corpo sem cabeça é encontrado em estado de decomposição
Geral
Motociclista morre após colidir com carreta
Geral
Homem morre após cair de bicicleta na rua