Menu
Busca sábado, 21 de setembro de 2019
(67) 99647-9098
Governo Segurança
Saúde

Mais de 1 milhão foram atendidos nas unidades de saúde da capital, em 2018

Levantamento revela que 70% dos atendimentos foram adultos e 30% pediátricos

03 janeiro 2019 - 17h33Da redação

De janeiro a novembro de 2018, as seis Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) e quatro Centros Regionais de Saúde (CRSs) de Campo Grande registraram 1.063.566 atendimentos, segundo levantamento da Coordenadoria de Urgência e Emergência (CUR) da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau).

Se comparado ao mesmo período de 2017, quando foram registrados 1.030.982 atendimentos, percebe-se um crescimento de pouco mais de 32 mil. Confira no gráfico abaixo o comparativo mensal dos dois anos citados:

O levantamento ainda revela que o atendimento adulto representa mais de 70% do volume total, sendo menos de 30% pediátrico. O resultado também aponta número expressivo de pacientes atendidos nas unidades de urgência classificados como azul e verde, ou seja, de menor gravidade que, em tese, poderiam ter o caso resolvido na atenção básica, na prevenção de enfermidades. 60% dos atendimentos se encaixam nesta categoria.

Para o coordenador de urgência da Sesau, Yama Albuquerque Higa, esse é o reflexo da “urgencialização”. “O paciente tem por hábito procurar diretamente uma UPA e ou CRS, porque ele espera que lá seja atendido, tenha o problema resolvido e seja liberado. Porém, o uso correto dos aparelhos de saúde é extremamente importante.  Assim ele evita de chegar a uma unidade de urgência e ficar horas e horas para ser atendido, o que, consequentemente, gera desconforto e reclamação”, pondera. Para o coordenador, é importante que a população esteja sempre atenta à saúde, realizando exames com frequência e observando se sua saúde está em dia.

Classificação de risco

A classificação de risco é uma ferramenta utilizada nos serviços de urgência e emergência, que visa avaliar e identificar os pacientes que necessitam de atendimento prioritário, de acordo com a gravidade clínica, potencial de risco, agravos à saúde ou grau de sofrimento. Ou seja, trata-se da priorização do atendimento, após uma complexa avaliação do paciente, realizada por um profissional devidamente capacitado, do ponto de vista técnico e científico.

O coordenador explica que a ferramenta é importante para definir a prioridade do atendimento e dar uma melhor assistência ao paciente que naquele momento está mais necessitado.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Sexta-feira começa com dez pediatras e 35 clínicos atendendo
Saúde
Quinta-feira começa com dez pediatras atendendo pela manhã
Saúde
Nesta manhã de quarta-feira, 11 pediatras e 42 clínicos atendem
Saúde
Nesta manhã dez pediatras e 47 clínicos atendem na capital
Saúde
Segunda-feira começa com 42 clínicos e dez pediatras atendendo
Saúde
Campanha Setembro Laranja alerta para a obesidade infantil
Saúde
Varizes não afetam só mulheres, alerta estudo
Saúde
Cinco pessoas morrem a cada minuto por erro médico, diz OMS
Saúde
Duas UPAs atendem com dez pediatras nesta manhã
Saúde
Nove pediatras atendem nesta manhã de quinta-feira

Mais Lidas

Polícia
Para fazer ex-mulher sofrer, pai mata filho de 2 anos afogado em bacia
Política
"Devem investigar" diz Reinaldo sobre filho
Polícia
Motorista de aplicativo é encontrado morto 15 dias após desaparecer
Clima
Vídeo - Chuva surpreende campo-grandenses na tarde desta sexta