Menu
Busca segunda, 18 de outubro de 2021
(67) 99647-9098
Senar 18 10 21
Saúde

“Para não interromper serviços”, Resende adota ação emergencial no HR

O decreto que institui o plano foi publicado hoje no Diário Oficial

28 fevereiro 2019 - 11h16Da redação

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Rezende, adotou ação emergencial para regularizar os estoques de medicamentos, de insumos e demais materiais necessários ao atendimento dos pacientes do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul.

O decreto que institui o plano emergencial para o hospital foi publicado nesta quinta-feira (28), no Diário Oficial. Rezende destaca que a medida irá tornar mais rápidos os procedimentos administrativos para a compra de medicamentos, insumos e materiais utilizados. “Desta forma, vamos regularizar os estoques desta unidade hospitalar que presta um serviço de alta qualidade em diversas especialidades”, disse.

Uma Comissão Especial de Trabalho composta por quatro membros titulares e quatro suplentes será formada com o intuito de dar celeridade a todos os procedimentos e aos fluxos administrativos necessários ao atendimento do plano emergencial. A comissão será composta por integrantes da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Fundação de Serviços de Saúde (Funsau), Secretaria de Estado de Administração (SAD) e Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz). Os integrantes da comissão deverão ser indicados no prazo de 48 horas a partir da publicação do decreto

Devido à urgência da situação apresentada, a comissão irá utilizar do procedimento de contratação direta de bens e de serviços indispensáveis à manutenção da prestação de serviços de saúde pelo HR-MS, por dispensa de licitação.

O diretor-presidente do Hospital Regional, Márcio Pereira, disse que a falta de medicamentos no hospital é um problema crônico. “Pelo fato de eu conhecer o hospital a muito tempo, é um problema que já conheço desde quando assumi o comando da unidade e entramos com o intuito de resolver o problema de imediato”, disse o diretor ao destacar que o problema se agravou quando alguns fornecedores deixaram de abastecer o hospital. Márcio disse ainda que o gasto com o abastecimento durante a ação emergencial que deve acontecer durante os próximos seis meses não vai passar do que o hospital gasta por mês na compra de medicamentos e insumos, que é aproximadamente R$ 6 milhões mensais.

Durante a implementação do Plano de Ação Emergencial, será produzido relatório bimestral com as ações e as medidas adotadas para normalizar os serviços de saúde no Hospital Regional.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Veja a escala de plantão médico nas UPAs neste domingo
Saúde
Mais vacina: Brasil recebe lote de 4,5 milhões de doses da Pfizer
Saúde
Dia D da multivacinação acontece hoje em todo Brasil
Saúde
Taxa de ocupação de leitos por casos de Covid-19 é inferior a 10%
Saúde
Cuidado: Com a chegada das estações quentes aumentam os acidentes com escorpiões
Saúde
Covid-19: MS tem menos de 100 pessoas internadas
Saúde
Prosseguir: Com prudência, Estado mantém capital na bandeira vermelha
Saúde
Bolsonaro torce para Congresso derrubar veto a absorventes
Saúde
Capital terá plantão de clínicos completo em dez unidades de saúde
Saúde
Covid-19: casos sobem para 21,6 milhões e mortes, para 602 mil

Mais Lidas

Cidade
Naufrágio: Sobe para seis o número de corpos encontrados no rio Paraguai
Cidade
JD1 TV: O dia mais atribulado da história
Polícia
Vídeo: Assaltantes "levam bala" de vítima ao tentarem roubar carro
Cidade
"40% da cidade já foi recuperada", diz Marquinhos