Menu
Busca sábado, 25 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Agronegócio

Planos para o agro são debatidos com futura ministra Tereza Cristina

Foram debatidas as principais pautas para o desenvolvimento e fortalecimento do agro nos próximos anos

14 novembro 2018 - 13h11Da redação com assessoria

Integrantes da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) estiveram reunidos com Tereza Cristina (DEM-MS), ministra indicada para a nova gestão do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O encontro foi realizado na terça-feira (13), com a presença de 28 parlamentares, além de representantes de entidades do setor produtivo nacional e teve o intuito de discutir sobre o setor.

A reunião presidida pela deputada federal, que é líder da FPA, foi marcada pelo debate das principais pautas. Para a nova ministra, uma política transversal e que alinhe áreas afins à agricultura – que hoje estão dispersas em outros ministérios e secretarias de governo – é uma das principais mudanças a serem feitas.

Pesca, agricultura familiar, irrigação e florestas plantadas são algumas dessas áreas que necessitam de uma gestão totalmente integrada ao Mapa, segundo a presidente da FPA, Tereza Cristina. A ideia é estudar a viabilidade de incorporar esses setores no Mapa. 

Licenciamento ambiental, Lei Kandir, crédito rural, direito de propriedade, segurança no campo, preservação ambiental aliada à produção agropecuária, infraestrutura e logística, defesa sanitária, política externa, além da abertura de mercado e licenciamento ambiental rápido e novos investimentos, também são temas primordiais para o setor produtivo brasileiro, e para o país.

No caso dos pequenos agricultores, Tereza Cristina afirmou que o foco é desenvolver a produção. “É um setor que precisa muito ser desenvolvido. A gente quer que esse segmento produza, tenha renda, que melhore e cresça”, afirmou a nova ministra do Mapa.

Para o vice-presidente da FPA, deputado Alceu Moreira (MDB/RS), é necessário ter uma câmara permanente e dinâmica para discutir temas que visem a evolução do setor agropecuário. “Precisamos descontruir modelos organizacionais que não possuam uma política integrada. Precisamos estabelecer prioridades, discutindo cada detalhe do processo. As pautas precisam ter gestão de tarefa, tempo e resultado”, disse Moreira.

O vice-presidente afirmou ainda que uma política de ocupação territorial no Brasil será uma das pautas prioritárias de sua gestão e que não haverá mais essa disputa de agricultura versus meio ambiente. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agronegócio
Fundos investe mais de R$1 bi nos pequenos produtores rurais de MS
Agronegócio
Exportações de Mato Grosso do Sul chegam a R$ 20 bilhões em 2019
Agronegócio
Jorge Matsuda morre vítima de um câncer
Agronegócio
Campanha de vacinação contra febre aftosa será prorrogada em algumas cidades
Agronegócio
Hinove Agrociência abre fábrica de 100 mil m² em Rio Brilhante
Agronegócio
Tereza Cristina assina convênio para "impulsionar o AgroNordeste"
Agronegócio
Atraso na plantação de soja deixa produtores em alerta
Agronegócio
Governo aprova plano para introdução de agricultura sustentável

Mais Lidas

Saúde
Fumacê contra a dengue começa a passar por bairros da Capital
Geral
Energisa abre exposição de energia elétrica no Pátio Central
Polícia
'Operação Laburu' tem 1ª ação no antigo terminal rodoviário da capital
Geral
Vídeo - Motociclista toma “banho de merda” na Ernesto Geisel