Menu
Busca quinta, 04 de junho de 2020
(67) 99647-9098
Agronegócio

Verruck quer união entre países no combate ao contrabando de produtos agrícolas

O secretário estará no Paraguai dia 9 de julho e vê oportunidade de tratar sobre o assunto

25 junho 2019 - 18h18Joilson Francelino, com informações da assessoria

O secretário de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), Jaime Verruck, defendeu uma articulação política forte que resulte em ações estratégicas conjuntas dos países sul-americanos para combater o contrabando de produtos usados ilegalmente na Agricultura. “No dia 9 de julho estaremos no Paraguai com a ministra Tereza Cristina e o governador Reinaldo Azambuja para tratar de diversos assuntos de interesse comum. Acredito ser a oportunidade ideal para propormos uma estratégia política conjunta afim de tornar mais eficiente esse controle das fronteiras e o combate ao contrabando, sobretudo de defensivos agrícolas”, disse Verruck.

Na tarde desta segunda-feira (24) o secretário representou o governo do Estado em evento na Receita Federal, quando foi apresentado pelo presidente do IDESF (Instituto de Desenvolvimento Econômico e Social de Fronteiras), Luciano Stremel Barros, o diagnóstico “O Contrabando de Defensivos Agrícolas no Brasil”, que mostrou uma realidade preocupante. Entre outras autoridades, estavam presentes a senadora Soraya Thronicke, o superintendente da Polícia Rodoviária Federal em Mato Grosso do Sul, inspetor Luiz Alexandre; e o delegado da Receita Federal no Estado, Edson Ishikawa.

Segundo o estudo do IDESF, 24% dos defensivos agrícolas usados no Brasil são contrabandeados. O maior atrativo é o baixo custo, que chega a ser um décimo do preço do produto nacional. Jaime Verruck entende que, aliado às ações de controle das fronteiras, o governo federal tem dado agilidade aos processos de análise e liberação de defensivos agrícolas. Já foram autorizados 211 novos defensivos só neste ano, alguns processos tramitavam há bastante tempo.

Legislação sofisticada

O secretário ponderou que a liberação da venda de um defensivo passa por um rigoroso estudo para quantificar seus impactos no meio ambiente e na saúde das pessoas, sendo analisado por técnicos de três ministérios: Saúde, Meio Ambiente e Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Isso tudo para dar tranquilidade à população de que o produto não deixa vestígios tóxicos nos alimentos. “Nossa legislação está bem estruturada nesse sentido”, disse.

Para o diretor presidente da Iagro (Agência Estadual de Vigilância Sanitária Animal e Vegetal), Daniel Ingold, a fiscalização tem sido eficiente na tarefa de evitar o uso de produtos não autorizados nas lavouras, no entanto o controle das fronteiras é imprescindível para impedir a chegada ao território nacional desse material. Verruck destacou, ainda, a importância da conscientização dos produtores e do trabalho sério e responsável dos técnicos agrícolas como aliados vitais no processo.

“Nós temos uma regulamentação extremamente sofisticada, desde a compra dos defensivos, o armazenamento, o uso e depois o descarte da embalagem, tudo é minuciosamente controlado e o processo todo é acompanhado por agrônomos, que emprestam sua responsabilidade técnica e dessa forma são peças chaves nessa cadeia. Claro que é preciso intensificar a guarda para evitar a chegada desses produtos, e nesse sentido entendo que o Paraguai tem papel importante porque lá a legislação é mais branda e acabam facilitando a entrada de defensivos proibidos no Brasil. Mas acaba que parte desses produtos não fica no Paraguai, acaba contrabandeada”, frisou.

Outra preocupação com relação ao contrabando é o alto custo da destruição desses produtos quando apreendidos, conta que acaba sendo paga pelo contribuinte. O assunto deve ser colocado na pauta da reunião de cúpula do dia 9 de julho. A ideia é obter das autoridades paraguaias um claro comprometimento no combate ao contrabando, já que a grande maioria dos defensivos agrícolas ilegais passam pelo território paraguaio para chegar ao Brasil. “O Paraguai precisa começar a assumir alguma coisa”, ponderou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Agronegócio
Rios de MS estão com baixos índices de navegação", alerta Verruck
Agronegócio
Riedel participa de videoconferência sobre agronegócio internacional
Agronegócio
Exportações crescem e superávit de MS atinge US$ 979 milhões, aponta Governo
Agronegócio
MS tem crescimento de 50% na exportação de frango em 2020
Agronegócio
Governo Federal anuncia medidas econômicas para ajudar produtores rurais
Agronegócio
Pequenos agricultores terão orientação contra o Coronavírus
Agronegócio
Saca da soja apresenta alta de 18% nesta safra, diz Famasul
Agronegócio
Calendário de vacinação e plano de ação contra aftosa serão mantidos em MS
Agronegócio
Tereza Cristina estuda dar apoio financeiro a produtores
Agronegócio
Não faltará alimento durante a pandemia, garante CNA

Mais Lidas

Polícia
Operação TNT: PF e PRF atuam no combate à fraudes em compras de máscaras
Cidade
Refis 100% Saúde arrecada R$ 1,3 milhão para combate ao coronavírus
Clima
Inmet alerta para chuva intensas e ventos de 60km/h em MS
Cidade
Detran disponibiliza 458 veículos para leilão em junho