Menu
Busca terça, 18 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Nelsinho Trad propõe criação de comissão para ajudar Venezuela

O senador disse que a comissão pode ajudar o país vizinho a enfrentar a crise

28 fevereiro 2019 - 19h12Mauro Silva com assessoria

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente da comissão de Relações Exteriores e da Defesa Nacional,  sugeriu durante a visita do presidente em exercício da Venezuela Juan Guaidó ao Brasil nesta quinta-feira (28) que um grupo do Senado vá ao Parlatino no Panamá para discutir a crise enfrentada no território vizinho.

Na visita de Guaidó ao presidente do Senado Davi Alcolumbre (PSD), Nelsinho propôs medidas urgentes para dar rumos e soluções aos conflitos enfrentados na Venezuela.  “Uma comissão daqui deverá ir ao Parlatino no Panamá para contribuir no fim dessa crise”, comentou.

 O Senado concordou e anunciou ao autoclamado presidente da Venezuela que haverá uma comissão com essa missão diplomática para tratar sobre a crise no território vizinho em março. “A Comissão de Relações Exteriores vai fazer uma comissão de senadores só para acompanhar o caso da Venezuela e vamos propor uma reunião em um país neutro, o Panamá”,  afirmou o Nelsinho, após se despedir de Guaidó.

Em entrevista, Juan Guaidó afirmou que, mesmo diante de ameaças que vem recebendo do regime de Nicolás Maduro, irá retornar à Venezuela até a próxima segunda- feira. Principal líder da oposição ao governo de Maduro, Guaidó chegou a Brasília na madrugada dessa quinta (28). Pela manhã, se reuniu com diplomatas de países da União Europeia. À tarde, encontrou-se com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e com os parlamentares no Congresso Nacional. 

Guaidó enfatizou que a Venezuela vive hoje em regime de ditadura que persegue e prende adversários políticos. Ele acusou o governo Maduro de queimar alimentos e medicamentos que seriam destinados ao povo venezuelano, como forma de impedir a ajuda humanitária oferecida por países que não reconhecem mais o governo do atual presidente. "A Venezuela está entre dois caminhos: a ditadura e a democracia", enumerou.

Segundo Guaidó, no momento a Venezuela tem cerca de mil presos políticos. E, segundo ele, mais de mil exilados que continuam a luta “cada vez mais intensa” pela democracia no país.

Guaidó ressaltou que nos últimos cinco anos foram tentados três processos de negociação com Maduro, a fim de assegurar eleições livres no país, com a possibilidade de observação internacional e de auditoria do resultado.

“A exigência do povo da Venezuela era uma eleição livre, com um árbitro imparcial, o direito de eleger e de ser eleito”, declarou, acrescentando que a prisão de adversários políticos e de concorrentes de Maduro em processos eleitorais "não pode ser parte de uma eleição livre".

Brasil

O Brasil está entre os países que não reconhecem a legitimidade de Maduro como presidente da Venezuela. Na semana passada, Maduro determinou o fechamento da fronteira da Venezuela com o Brasil, em Pacaraima (RR).

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Filho de deputada é preso durante enterro do pai no RJ
Brasil
Com faca cravada na cabeça, jacaré nada tranquilo em lago
Brasil
Moro não reconhece autenticidade de mensagens de site
Brasil
Quina de São João pode pagar R$ 140 milhões em prêmio principal
Brasil
Joaquim Levy está com “cabeça a prêmio”, diz Bolsonaro
Brasil
Vídeo – Motorista avança em manifestantes e atropela cinco
Brasil
Rádios estão dispensadas da “Voz do Brasil” durante jogos da seleção na Copa América
Brasil
“Não cometi nenhum ilícito”, diz Moro sobre mensagens
Brasil
“Equivocada”, diz Bolsonaro sobre criminalização da homofobia
Brasil
Custos da indústria caem 1% no primeiro trimestre, diz CNI

Mais Lidas

Polícia
Vídeo - Fazendeiro morre prensado pela própria caminhonete
Polícia
"Chucky" é encontrado morto em comércio
Polícia
Dez morrem e oito ficam feridos em confronto de facções em presídio
Brasil
Filho de deputada é preso durante enterro do pai no RJ