Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Brasil

Nelsinho Trad propõe criação de comissão para ajudar Venezuela

O senador disse que a comissão pode ajudar o país vizinho a enfrentar a crise

28 fevereiro 2019 - 19h12Mauro Silva com assessoria

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), presidente da comissão de Relações Exteriores e da Defesa Nacional,  sugeriu durante a visita do presidente em exercício da Venezuela Juan Guaidó ao Brasil nesta quinta-feira (28) que um grupo do Senado vá ao Parlatino no Panamá para discutir a crise enfrentada no território vizinho.

Na visita de Guaidó ao presidente do Senado Davi Alcolumbre (PSD), Nelsinho propôs medidas urgentes para dar rumos e soluções aos conflitos enfrentados na Venezuela.  “Uma comissão daqui deverá ir ao Parlatino no Panamá para contribuir no fim dessa crise”, comentou.

 O Senado concordou e anunciou ao autoclamado presidente da Venezuela que haverá uma comissão com essa missão diplomática para tratar sobre a crise no território vizinho em março. “A Comissão de Relações Exteriores vai fazer uma comissão de senadores só para acompanhar o caso da Venezuela e vamos propor uma reunião em um país neutro, o Panamá”,  afirmou o Nelsinho, após se despedir de Guaidó.

Em entrevista, Juan Guaidó afirmou que, mesmo diante de ameaças que vem recebendo do regime de Nicolás Maduro, irá retornar à Venezuela até a próxima segunda- feira. Principal líder da oposição ao governo de Maduro, Guaidó chegou a Brasília na madrugada dessa quinta (28). Pela manhã, se reuniu com diplomatas de países da União Europeia. À tarde, encontrou-se com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e com os parlamentares no Congresso Nacional. 

Guaidó enfatizou que a Venezuela vive hoje em regime de ditadura que persegue e prende adversários políticos. Ele acusou o governo Maduro de queimar alimentos e medicamentos que seriam destinados ao povo venezuelano, como forma de impedir a ajuda humanitária oferecida por países que não reconhecem mais o governo do atual presidente. "A Venezuela está entre dois caminhos: a ditadura e a democracia", enumerou.

Segundo Guaidó, no momento a Venezuela tem cerca de mil presos políticos. E, segundo ele, mais de mil exilados que continuam a luta “cada vez mais intensa” pela democracia no país.

Guaidó ressaltou que nos últimos cinco anos foram tentados três processos de negociação com Maduro, a fim de assegurar eleições livres no país, com a possibilidade de observação internacional e de auditoria do resultado.

“A exigência do povo da Venezuela era uma eleição livre, com um árbitro imparcial, o direito de eleger e de ser eleito”, declarou, acrescentando que a prisão de adversários políticos e de concorrentes de Maduro em processos eleitorais "não pode ser parte de uma eleição livre".

Brasil

O Brasil está entre os países que não reconhecem a legitimidade de Maduro como presidente da Venezuela. Na semana passada, Maduro determinou o fechamento da fronteira da Venezuela com o Brasil, em Pacaraima (RR).

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Bolsonaro diz que invasão de terra tem que ser tipificada como terrorismo
Brasil
Recadastramento de clientes de celulares pré-pagos começa nesta quinta
Brasil
Moraes revoga decisão que censurou reportagens
Brasil
Avianca vai devolver oito aeronaves depois da Páscoa
Brasil
Bolsonaro exonera general corumbaense, da secretaria de Esportes
Brasil
Mulher é presa seis anos após matar o ex-namorado
Brasil
Mega acumula e pode pagar R$ 60 mi, no sábado
Brasil
Revista Time coloca Bolsonaro entre os "100 mais influentes do mundo"
Brasil
Fachin quer manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news
Brasil
Vale vai retomar atividades na Mina de Brucutu

Mais Lidas

Polícia
Corpo de mulher é encontrado amarrado em árvore às margens da BR-262
Polícia
Homem tem mãos decepadas, na fronteira
Polícia
Ex-radialista é morta com 24 facadas pelo sobrinho
Geral
“Em tempos de crise a solução é inovar”, diz empresária