Menu
Busca segunda, 21 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Cidade

É proibido circulação de pessoas aos finais de semana? Entenda

“Só não pode ir a uma festa”, exemplifica secretário Luiz Costa

15 julho 2020 - 15h30Sarah Chaves

O prefeito Marquinhos Trad estabeleceu como medida de prevenção para do novo coronavírus um novo decreto publicado nesta quarta-feira (15) onde durante dois finais de semana, Campo Grande terá apenas os serviços essenciais funcionando, e institui penalidades como detenção e multa para indivíduos que forem pegos circulando durante o toque de recolher.

Neste período, de segunda a sexta, a capacidade do comércio, shoppings, academias, salões de beleza, terá que ser de 30% e o comércio varejista funcionará das 9h às 17h. As farmácias e deliveres funcionam normalmente, inclusive aos finais de semana por 24h.

Conforme o titular da Secretaria Municipal de Meio ambiente e Gestão Urbana (Semadur), Luíz Eduardo Costa, será proibida a circulação de pessoas durante o toque de recolher das 20h às 5h. “Nós diminuímos as pessoas na rua da cidade, não promovendo encontros para evitar a propagação da doença”.

Já em relação às pessoas que precisam trabalhar nas atividades consideradas essenciais e as que utilizam esses serviços, o direito de ir ao local não será vedado, afirma Luis Eduardo ao JD1 Notícias. “As pessoas podem trabalhar se comprovar através de documento que trabalha em locais de serviço essencial. A pessoa não pode ir para uma festa, mas pode ir a uma farmácia”, explica.

Ainda segundo o secretário para que ninguém saia após as 20h fica disponível a atividade de delivery. “O delivery funciona 24h, aqueles que podem, então a pessoa pode pedir uma comida. Se programem nessas duas semanas para um ritmo diferente. A cidade precisa se programar para isso’, finaliza o titular da da Secretaria Municipal de Meio ambiente e Gestão Urbana.

As pessoas que descumprirem o decreto podem sofrer penalidade administrativa e penal e responder por crimes contra a saúde pública previstos nos artigos 268 e 330 do Código Penal. 

As penalidades vão desde detenção, de 15 dias, um mês a um ano, e multa por infringir determinação do poder público, destinada a impedir introdução ou propagação de doença contagiosa e desobedecer a ordem legal de funcionário público.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cidade
Após 20 anos vivendo na irregularidade, 215 famílias de Bodoquena receberão título de propriedade
Cidade
Serão destinados R$ 100 milhões para obras com asfalto na capital
Vídeos
AO VIVO: Prefeitura assina contrato para obras que incluem Rita Vieira e Bom Pastor
Cidade
Bombeiros combatem último foco de incêndio no Atacadão
Cidade
Reabertura das fronteiras não inclui Pedro Juan Caballero
Cidade
Consórcio Guaicurus tenta barrar carona compartilhada de vans
Cidade
Baladas, clubes e cinemas estão liberados para retomar atividades
Cidade
Parques e praças reabrem nesta segunda com medidas de biossegurança
Cidade
Prefeitura terá plantão do Refis 100% neste sábado
Cidade
Mesmo com portaria, nem todas as praças da capital abrirão dia 14

Mais Lidas

Geral
MS aumenta rigor e autuações contra queimadas já superam ano de 2019
Polícia
Queda de árvore queimada em rodovia causa acidente que deixa 12 mortos
Clima
Chuva foi pequena, mas ocorreu em 21 municípios de MS
Vídeos
AO VIVO: Acompanhe a 1ª Parada online da Cidadania e do Orgulho LGBTQIA+/MS