Menu
Busca quarta, 23 de setembro de 2020
(67) 99647-9098
TJMS setembro20
Cultura

"Há muita música boa vindo de quem não toca bem", diz Dave Matthews

04 dezembro 2013 - 12h28Via Uol
A banda capitaneada pelo sul-africano Dave Matthews, atração principal do festival Summer Break neste fim de semana, não está mais no auge nem é queridinha da crítica. Seus discos, no entanto, repetem sempre uma rotina feliz: todos eles, desde "Before These Crowded Streets", de 1998, alcançaram o primeiro lugar da parada da revista "Billboard".

Questionado, o vocalista da Dave Matthews Band não sabe dizer qual é o segredo. Afirma apenas que o fato pode ter a ver com a abnegação de seus fãs, fiéis ao pop rock bem tocado do grupo, com melodias grudendas e pitadas de folk americano.   

"Há vários tipos de instrumentistas hoje em dia. E há muita música boa vindo de quem não toca exatamente 'bem'. E é isso o que eu amo no rock. Acho que o importante é ter algo a dizer, algo que entre na sua orelha e seja 'pegajoso', e que faça as pessoas cantarem",  diz Dave ao Uol.

O grupo americano, que vem pela quarta vez ao Brasil, já encarou plateias tão dispares quanto a do finado Free Jazz (1998) e a do Rock in Rio (2001). Talvez por isso, ele tenha dúvidas sobre o que terá pela frente em São Paulo, no Campo de Marte, e no Rio de Janeiro, no HSBC Arena.

"Na verdade, nós nunca sabemos o que esperar. Sabemos que tocaremos para um grande público. E e toda vez que tocamos no Brasil temos uma experiência maravilhosa com a plateia. É um tipo de público muito apaixonante, com pensamento muito aberto."

Famosa pelo som guiado pelo violão, com arranjos de metais e violionos, a banda costuma ser associada a paisagens calmas e aos  bons momentos da vida. Tem John Mayer e Jason Mraz como admiradores declarados. Mas, para seu líder, nem tudo são praias.

"Acho que as coisas boas estão presentes em metade do que a gente faz. Mas, na outra, abordamos exatamente o oposto. Nós tocamos com alegria, mas também falamos de preocupações, de dor, de amor mal compreendido", relativiza.

Sobre o show, ele adianta que será diferente do restante da turnê. O grupo costuma montar o repertório a partir do público de cada cidade, o que dá brecha a inúmeras surpresas. "Temos oito discos, muitas opções. Ainda não sei o que vamos tocar. Sempre mudamos o setlist para satisfazer as pessoas".

Já quanto ao sucessor do álbum "Away From The World", de 2012, Dave conta apenas que ele será bem diferente dos predecessores. "Começamos a trabalhar em algumas músicas, que já vínhamos tocando. Não sei se será nosso melhor trabalho, mas iremos nos esforçar pra isso", brinca. Ainda sem título, o novo álbum deve sair até o fim do ano que vem.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Acontece hoje a 1ª Parada online da Cidadania e do Orgulho LGBTQIA+/MS
Cultura
Feira Central “ressuscita” apresentações musicais nesta quinta
Cultura
Júlio Cocielo se tornou réu na Justiça de São Paulo sob acusação de racismo
Cultura
"Posso ver meus filhos novamente" diz Wesley Safadão após resultado negativo do exame da covid-19
Cultura
Toots Hibbert, a lenda do reggae, morre aos 77 anos na Jamaica
Cultura
Lives: Maiara e Maraísa e Marcos e Belutti agitam esta sexta
Cultura
DJ Danilo Bachega comemora 25 anos de carreira com remix de Lulu Santos
Cultura
Jads e Jadson fazem live hoje
Cultura
Autocine deste domingo tem atração para criançada e com “A raposa má”
Cultura
Carnaval de Corumbá entra para o calendário oficial de MS

Mais Lidas

Geral
Dupla detalha assassinato de diarista: “Tiramos a pele do rosto com a faca”
Saúde
Após ser atropelado por idoso embriagado, rapaz precisa de doação de sangue na capital
Polícia
Após ouvir barulho, morador encontra homem baleado em frente de casa
Educação
Bolsonaro nomeia Marcelo Turine como reitor da UFMS