Menu
Busca segunda, 18 de fevereiro de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

Museu Nacional solicita recursos no Orçamento 2019

Os recursos serão destinados para inicio da reconstrução do Palácio

02 outubro 2018 - 15h48Agência Brasil

Após um mês do incêndio que destruiu o Palácio de São Cristóvão, a direção do Museu Nacional em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira (2) afirmou que vem tentando incluir no Orçamento da União de 2019, uma previsão de R$50 milhões a R$100 milhões para iniciar a reconstrução do prédio. O diretor do museu, Alexander Kellner, disse que os recursos será o primeiro passo para possa reabrir no prazo de no mínimo de três anos.

"Estamos junto ao Congresso Nacional vendo a possibilidade de uma dotação orçamentária que seja impositiva e que nos permita pelo menos fazer uma primeira obra de infraestrutura como paredes, teto e coisas assim", disse Kellner, ressaltando que tal valor não inclui a restauração de detalhes internos mais específicos e toda a parte externa.

Pesquisadores, servidores e estudantes do museu fizeram um abraço hoje para marcar um mês do incêndio que destruiu um rico acervo que incluía coleções científicas conservadas e estudadas pelos Departamentos de Antropologia, Botânica, Entomologia, Invertebrados, Vertebrados e Geologia e Paleontologia.

A direção pretende manter o caráter histórico do palácio e preservar também sua tradição de exposições ligadas à história natural, mas precisará discutir o que será restaurado e o que precisará ser modernizado. O palácio foi residência de Dom João VI quando a família real portuguesa veio para o Brasil e abrigou também a família imperial brasileira. O prédio foi construído para ser uma residência e só se tornou museu após a Proclamação da República. Antes de se mudar para o palácio, o Museu Nacional funcionava no centro do Rio, na Praça da República.

Enquanto essas ações não começam, a empresa Concrejato foi contratada para escorar e cobrir a estrutura que restou do incêndio. A obra começou em 21 de setembro e tem prazo de seis meses para ser concluída. Com o escoramento, não haverá mais risco de desabamento e poderá ter início o trabalho de recuperação do acervo que foi soterrado pelos escombros e queimado no incêndio. Pesquisadores mantêm a expectativa de que parte dos itens pode ter sobrevivido à tragédia. Já a cobertura é necessária para proteger essas peças da chuva.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Sesc Morada dos Baís terá primeiro grito de Carnaval
Cultura
Unidos da Vila Carvalho homenageia os 50 anos da comunidade em desfile
Cultura
Sesc Cultura terá sessões de cinema com produções de MS
Cultura
Carnaval é lançado oficialmente na sexta-feira
Cultura
Capital sedia festival de Rock 100% dedicado à música autoral local
Cultura
Desfile das escolas de samba será dia 4 e 5 de março
Cultura
Completando 26 anos, bloco “As Depravadas” pede muito amor nesse carnaval
Cultura
Mara Caseiro assume a Fundação Cultura
Cultura
Sesc Cultura tem oficina de audiodescrição e sessão inclusiva de cinema
Cultura
Semana musical do Sesc começa com o samba de Luiz Café

Mais Lidas

Polícia
Desaparecimento de jovem ainda é um mistério para a polícia
Saúde
Câncer de ovário tem sintomas discretos e pode evoluir rapidamente
Geral
PM e PF apreendem contrabando de celulares avaliado em R$ 3 milhões
Geral
Boechat morreu de politraumatismo, aponta laudo do IML