Menu
Busca segunda, 14 de outubro de 2019
(67) 99647-9098
Economia

Nelsinho associa Bioceânica com crescimento econômico

Em palestra no Paraguai, o senador disse que Rota vai aquecer economia brasileira

13 agosto 2019 - 14h51Mauro Silva, com informações da assessoria

Em defesa dos benefícios econômicos que a Rota Bioceânica pode trazer ao Mato Grosso do Sul e também ao resto do Brasil, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS) ministrou palestra nesta segunda (12) sobre Rota Bioceânica em Assunção no Paraguai.

O senador sul-mato-grossense participou do I Seminário de Integração de Infraestrutura de Transporte Rodo-ferroviário da América do Sul no país vizinho. “Defendo esse projeto como prioridade no meu mandato, o corredor bioceânico vai reduzir em 40% o frete, encurtar 8.000 km marítimos de distância, será vantajoso para o Brasil e MS nas transações de agronegócios. É a conexão entre o Centro Oeste e o Paraguai, Argentina e Chile. Haverá geração de empregos em Mato Grosso do Sul e no Brasil”, destacou.

De acordo com Nelsinho, o Corredor Rodoviário Bioceânico irá aquecer a economia do estado. “Os produtos chilenos, argentinos e paraguaios passarão a ingressar no Brasil por Porto Murtinho, Corumbá e Ponta Porã. Ou seja, não será unicamente pelo Sul do Brasil, mas também pelo Centro-Oeste. Os produtos da região chegarão aos mercados mais distantes a preços mais competitivos”, enfatizou.

Durante sua palestra o parlamentar justificou a conta de economia com a distância. “A viagem entre Antofagasta e Xangai dura 35 dias, enquanto o deslocamento de Santos a Xangai consome 49 dias. Economizam-se 14 dias. O empresário de MS vai encontrar no Chile portos mais eficientes e menos congestionados do que no Brasil”, calculou.

Logística eficiente

A Rota Bioceânica não irá apenas oferecer alternativa mais eficiente e barata para o transporte de carga. O novo corredor vai representar mudança na logística nacional e regional. “Será possível utilizar o Porto Seco de Perico, no Norte da Argentina, ou o futuro Porto Seco de Campo Grande”, afirmou Nelsinho.  

“Não seria mais necessário levar a carga para ser nacionalizada em Buenos Aires ou Santos, será a diversificação de processos de internacionalização das mercadorias, contornando gargalos atuais. Como por exemplo: levar a carga por rodovia até Salta e destiná-la a Buenos Aires por ferrovia; Explorar voos de carga que decolam de Salta/Jujuy para os Estados Unidos; Trazer carga do norte do Chile e redistribuí-la para o Norte do Brasil a partir de Campo Grande”, finalizou.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Economia
Acordo Mercosul-UE pode impactar economia brasileira em US$ 79 bi
Economia
Com economia solidificada, PIB de MS cresce 254% em uma década
Economia
Índice que reajusta aluguel acumula inflação de 3,16% em 12 meses
Economia
Acumulou: Mega-Sena deve pagar R$ 30 mi no próximo concurso
Economia
Confiança do comércio tem alta de 0,1% em outubro
Economia
Caixa paga FGTS para nascidos de setembro a dezembro
Economia
Dólar tem 4° queda na cotação de outubro
Economia
Caixa anuncia redução de juros imobiliários
Economia
Receita libera consulta ao quinto lote de restituição do IR
Economia
Banco Central cria PL para modernizar mercado de câmbio

Mais Lidas

Polícia
Adolescentes são apreendidos por necrofilia com cadáver de idosa
Geral
Irmã Dulce passa a ser Santa Dulce dos Pobres após canonização
Oportunidade
Prefeitura seleciona jovens para curso de voluntariado
Polícia
PMA apreende arma usada em caça ilegal