Menu
Busca quinta, 28 de maio de 2020
(67) 99647-9098
Geral

“Criminalização da homofobia pode gerar situações injustas”, diz Lídio Lopes

Deputados comentaram a decisão do STF na sessão desta quarta-feira

19 junho 2019 - 14h14Joilson Francelino, com informações da assessoria

O deputado Lídio Lopes (PATRI), afirmou nesta quarta-feira (19), que a criminalização da homofobia poderá gerar situações injustas aos cidadãos praticantes da religião cristã.

Evangélico, o parlamentar explica que, se um pastor diz a um homossexual que não poderá casar na igreja, pode ser acusado de racismo, com essa posição do STF. “Precisaremos construir muitos presídios, porque os pastores não vão deixar de pregar a palavra conforme as suas convicções religiosas”, defendeu. Lídio Lopes ainda considerou que “não é papel do judiciário criminalizar uma conduta”.

Em aparte, Professor Rinaldo (PSDB) também apontou problemas na decisão. “Tenho o maior respeito pelos homossexuais. Quem pratica homofobia deve ser penalizado mesmo. Mas não conheço igrejas com fobia por homossexuais. Deus não amaldiçoa ninguém. E a igreja também tem que ter liberdade religiosa. Agora estarmos na nossa igreja, e virem falar que somos homofóbicos, isso não. E essa decisão, não precisaria, comparando ao racismo, é absurda”, disse o deputado.

O deputado Barbosinha (DEM) ponderou que, embora a preocupação dos setores religiosos seja legítima, a decisão do STF protegeu a liberdade religiosa e de manifestação do pensamento. A fala de Barbosinha diz respeito ao seguinte trecho da decisão: “A repressão penal à prática da homotransfobia não alcança nem restringe ou limita o exercício da liberdade religiosa [...] desde que tais manifestações não configurem discurso de ódio, assim entendidas aquelas exteriorizações que incitem a discriminação, a hostilidade ou a violência contra pessoas em razão de sua orientação sexual ou de sua identidade de gênero”.

Gerson Claro (PP) manifestou inconformismo com a decisão do STF não pelo mérito, mas por suprimir um dos poderes da República, que é o Legislativo. “A questão de demorar ou não para criminalizar uma conduta é intrínseca à nossa sociedade. A discussão acontece dentro do Congresso Nacional e a nossa sociedade não muda de uma hora pra outra. Porque o Supremo permaneceu omisso em tantas decisões que poderiam beneficiar os brasileiros, como sobre carga tributária, dizendo que não seria atribuição do Judiciário, mas toca dessa forma num assunto que interfere na família brasileira?”, questionou o parlamentar.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Marquinhos anula aposentadoria de guarda condenado pela morte de Paulo Magalhães
Geral
Pais vendem rifa para arrecadar R$ 23 mil em 15 dias e pagar cirurgia de bebê
Geral
Acumulou! Ninguém acerta e prêmio da Mega-Sena vai a R$ 38 milhões
Geral
Mãe de Neymar reata com modelo e compra flat para ele, diz jornal
Geral
Senado aprova aumento do salário mínimo para R$ 1.045
Geral
Auxílio emergencial: Saiba quem recebe 1ª e 2ª parcela nesta quinta
Geral
Há um ano, tragédia que matou o campo-grandense Gabriel Diniz comovia o Brasil
Geral
Mascarado esperando atendimento no CRS Tiradentes diverte pacientes
Geral
Hemosul convoca doadores de sangue afastados pelo frio
Geral
Obras ao redor do Cavaleiro Guaicuru, no Parque das Nações, são retomadas

Mais Lidas

Justiça
Comitê atua por melhorias na justiça de primeiro grau
Geral
Marquinhos anula aposentadoria de guarda condenado pela morte de Paulo Magalhães
Saúde
Coronavírus - MS registra 76 novos casos; sobe o número de internados
Geral
Pais vendem rifa para arrecadar R$ 23 mil em 15 dias e pagar cirurgia de bebê