Menu
Busca sexta, 19 de agosto de 2022
(67) 99647-9098
TJMS Agosto 22
Geral

Projeto de Pesquisa revela bairros com maior incidência de Leishmaniose em Campo Grande

10 agosto 2016 - 17h59Notícias MS

Com o objetivo de mapear a incidência da Leishmaniose Visceral em Campo Grande, o projeto de pesquisa da médica veterinária, mestre em ciência animal, Prof. Juliana Arena Galhardo, utiliza geotecnologia na gestão, planejamento, execução e avaliação de metodologias de controle da doença. A pesquisa conta com o apoio da Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul (Fundect).

Desde 2002, Campo Grande é considerada como área endêmica da doença em humanos e cães. Para realizar o mapeamento foram utilizados dados da Secretaria Estadual de Saúde e Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Foram analisados 79 bairros da Capital, sendo que 8 deles apresentaram maior incidência da doença em humanos, são eles: América e Lageado (região urbana do Córrego Anhanduizinho), Cabreúva e Carvalho (Centro), Tijuca (Lagoa), Estrela Dalva, Margarida e Veraneio (Prosa).

Estas regiões apresentaram as maiores incidências no período de 2007 a 2011, variando de 6,1/10.000 hab. a 11,22/10.000 habitantes.

Em situação oposta encontram-se os bairros Jardim Paulista, São Lourenço, Bela Vista, Glória, Itanhangá, Jardim dos Estados, São Bento, Núcleo Industrial, Carandá e Chácara dos Poderes. Estas regiões não apresentaram casos de Leishmaniose no período estudado.

De acordo com a pesquisadora, a análise da incidência da doença utilizando métodos descritivos associados ao geoprocessamento se mostrou viável, transformando-se em uma ferramenta acessível ao poder público para o planejamento de ações de controle.

“Considerando a realidade da leishmaniose visceral em Campo Grande, o impacto da diminuição da morbidade, ainda que gradual, significará que ainda que seja difícil a erradicação de vetores, é possível o controle da doença em humanos e animais configurando a longo prazo a diminuição da ocorrência da doença”, afirma Juliana.

A pesquisadora enfatiza que a são necessárias medidas associadas para o efetivo controle e prevenção da doença. “ É indispensável a realização de ações de controle do vetor, controle de reservatórios, saneamento ambiental e utilização de repelentes ou outras medidas de proteção individual. Quando se fala em controle de doenças veiculadas por vetores no Brasil, é impensável a utilização de alguma medida única pois temos todas as condições socioambientais para a proliferação de vetores e manutenção destas doenças”, afirma.

A veterinária explica que o controle do vetor é baseado em saneamento ambiental, compreendendo a limpeza de quintais e terrenos, remoção de matéria orgânica em decomposição e adequada destinação de lixo e demais resíduos.

“Associado ao saneamento, recomenda-se o uso de inseticidas a base de deltametrina ou permetrina, tanto para o uso doméstico na forma de borrifação como na forma de repelentes individuais para cães (coleiras ou soluções top spot). Os inseticidas ambientais devem ser utilizados com muito cuidado pois podem causar intoxicações”, conclui.

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Geral
Maçonaria é uma das organizações mais antigas do mundo
Geral
Passe de ônibus agora pode ser recarregado via Pix na Capital
Geral
Coração de Dom Pedro I chega ao Brasil na segunda-feira
Geral
Mais de 100 lotes de veículos e sucatas serão leiloados na próxima semana
Geral
Onde o Estado gasta seu dinheiro? Veja como verificar
Geral
Aeroporto de Campo Grande é vendido para a empresa espanhola Aena
Geral
Famílias indígenas recebem R$ 378 mil para compra de material de construção
Geral
JD1TV: Ônibus 'cai' em cratera aberta pela chuva no Nova Lima
Geral
Kid Bengala lança campanha eleitoral "vou entrar com tudo"
Geral
Marquinhos quer afastar delegada de inquérito

Mais Lidas

Polícia
Dupla é indiciada por tentativa de triplo homicídio no Aero Rancho
Polícia
Filhos de idosa abandonada em casa cheia de fezes são encontrados
Polícia
Mulher é resgatada antes de ser queimada por facção em 'micro-ondas humano'; vídeo
Polícia
Morre encanador que caiu em buraco de obra em Campo Grande