Menu
Busca quarta, 22 de janeiro de 2020
(67) 99647-9098
Perkal Topo - janeiro-20
Justiça

PRF que matou homem em briga de trânsito vai a julgamento

A defesa acredita em absolvição, enquanto familiares da vítima acompanham na 1° Vara do Tribunal do Júri

11 abril 2019 - 09h33Rayani Santa Cruz

O Policial Rodoviário Federal, Ricardo Hyun Soo Moon, acusado pelo assassinato de Adriano Correa e de tentar matar as vítimas V. C. O. S. e A. E. da S., em uma briga de trânsito na av. Ernesto Geisel, em Campo Grande, em dezembro de 2016, vai a júri nesta quinta-feira (11).

O juiz titular da vara, Carlos Alberto Garcete de Almeida, pronunciou o policial pelo crime de homicídio qualificado, por motivo fútil e recurso que dificultou a defesa da vítima, e duas tentativas de homicídio com as mesmas qualificadoras. 

Para a acusação, o reú também praticou o crime de fraude processual, tendo em vista que, com a ajuda de terceiros, teria alterado provas na cena do crime, a fim de induzir o juízo a erro e produzir efeitos favoráveis a si próprio em eventual processo penal que fosse iniciado.

A defesa de Moon solicitou a absolvição sumária do acusado, alegando legítima defesa. O juiz rejeitou o pedido da defesa para que o processo tramitasse na Justiça Federal.

Veja o vídeo:

O caso

No dia 31 de dezembro de 2016, por volta das 5h40, Ricardo Hyun Soo Moon, se deslocava para o trabalho no município de Corumbá, conduzindo o veículo Pajero TR4, enquanto a vítima Adriano Correa dirigia a camionete Toyota Hilux, acompanhado de V.C.O.S. e A.E. da S. Eles trafegavam pela avenida Ernesto Geisel,  quando na esquina com a rua 26 de Agosto, o acusado atirou na vítima e tentou matar os outros dois passageiros.

Conforme a denúncia, ao fazer conversão à direita, Adriano não percebeu a proximidade com o veículo do acusado e quase provocou um acidente de trânsito. Após isso, o acusado abordou as vítimas, descendo do veículo, identificando-se como policial e chamando reforço.

As vítimas chegaram a descer do carro e solicitaram que o acusado mostrasse sua identificação visto que, pela vestimenta que trajava, não era possível saber se era mesmo policial rodoviário federal. Diante da recusa do acusado, eles retornaram ao carro e Adriano ligou a camionete iniciando manobra para desviar do veículo do réu, que estava impedindo sua passagem.

Quando iniciou o deslocamento, o policial efetuou disparos na direção do carro, que se chocou com um poste de iluminação. Após o choque, Adriano foi atingido e morreu no local, enquanto um dos passageiro também foi atingido pelos disparos.

O réu foi pronunciado em agosto de 2017. Houve interposição de recurso ao TJ-MS que, por maioria de votos, negou provimento, mantendo a decisão de pronúncia. A defesa do acusado ingressou então com recurso especial. Como a jurisprudência não impede a realização do júri, após decisão em 2ª instância confirmar a pronúncia, decidiu então o juiz que o processo deve retomar o seu curso regular, com a designação da sessão do tribunal do júri. 

 

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
MP acusa ex-presidente da Vale e outras 15 pessoas por 270 homicídios
Justiça
OAB quer esclarecimento do BNDES sobre auditoria de R$ 48 milhões
Justiça
Defesa diz que Valler não usou cocaína e que droga era de veterinária morta
Justiça
Em nota, MPF justifica mudança para Dourados, mas não responde sobre diárias
Justiça
Depois da “fuga” de Ponta Porã, MPF evita responder sobre diárias para idas à fronteira
Justiça
Brasil fecha fronteira com Paraguai após fuga de presos neste domingo
Justiça
Prazo de juiz de garantias pode mudar investigação de Flávio e Lula
Justiça
Dourados não terá saneamento suspenso, garante diretor da Sanesul
Justiça
Paschoal Leandro avalia positivamente adiamento do 'juiz de garantias'
Justiça
Briga no Jatobá - Audiência de conciliação sobre “expulsão” de piloto será em março

Mais Lidas

Polícia
Motociclista fica gravemente ferido após acidente
Internacional
China confirma 17 mortes pelo coronavírus
Polícia
Pesca durante piracema faz pescadores levarem multa de R$ 5 mil
Polícia
Homem é assassinado com facada no pescoço