Menu
Busca quinta, 21 de março de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Procon instaura investigação contra Bradesco Saúde

Clientes reclamam que, quando conseguem o atendimento pretendido, são obrigados a pagar

26 fevereiro 2019 - 18h57Da redação com assessoria

A Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor – Procon-MS instaurou procedimento de Investigação preliminar em relação à empresa Bradesco Saúde, tendo em vista a insatisfação dos beneficiários devido às dificuldades encontradas cada vez que necessitam dos serviços.

A pequena quantidade de médicos e empresas especializadas em saúde credenciadas pelo plano assistencial do Bradesco é a reclamação mais recorrente entre os consumidores que recorreram ao Procon Estadual. De acordo com dezenas de denúncias registradas somente neste mês de fevereiro, recebidas por meio do aplicativo “fale conosco”, existe dificuldade muito grande em encontrar profissionais na maioria das especialidades e, quando encontram, não conseguem marcar consultas.

Os clientes reclamam que quando conseguem o atendimento pretendido, são obrigados a pagar para, posteriormente sem ter prazo pré fixado muitas vezes demorando meses, serem ressarcidos pelo plano que deveria ser responsável pela  remuneração do profissional ou empresa prestadora de serviços.

Há pessoas que migraram de outros planos de saúde porque foram iludidas. “Na hora de nos vender o plano, nos ofereceram maravilhas. Falaram de uma ampla rede de atendimento mas, quando precisamos, não era nada disso. Nos arrependemos amargamente da  decisão” é o que relatam, quase todos, os beneficiários.

Diante disso, o superintendente do Procon Estadual, Marcelo Salomão, determinou a instauração do procedimento e a devida notificação à Bradesco Saúde S.A. com sede no bairro Rio Comprido, no Rio de Janeiro, para, no prazo de dez dias após o recebimento, enviar ao Cartório do Procon-MS, os contratos nos negócios com consumidores e apresente respostas e esclarecimentos para os clientes.

Marcelo Salomão deixou evidente que a não prestação das informações requeridas configura  conduta infracional, passível de sanções administrativas, conforme prevê o Código de Defesa do Consumidor. “Entendemos que se o cidadão se inscreve em um plano de saúde é porque pretende ter atendimento adequado para si e seus dependentes. Ninguém pode ser enganado com promessas. Os serviços oferecidos têm de ser efetivamente efetuados”, conclui o superintendente.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
Homem terá que pagar R$ 120 mil por transmitir HIV para ex-mulher
Justiça
STJ revoga prisão de André
Justiça
Em cinco anos, 155 pessoas foram condenadas na Lava Jato
Justiça
Justiça Eleitoral pode julgar crime comum, decide STF
Justiça
CNJ convoca juiz Albino Neto para auxiliar em projeto
Justiça
"Taxista de vovó" vai responder por homicídio duplamente qualificado
Justiça
Raul Freixes é preso, passa mal e vai parar em UPA
Justiça
Justiça recua e suspende despejo de índios invasores
Justiça
Caso Marielly pode ter reviravolta, revela advogado
Justiça
Advogado é condenado a pagar R$ 10 mil a ex-cliente

Mais Lidas

Geral
"5º Costelão do Cotolengo Sul-Mato-Grossense" acontece em abril
Geral
Drogasil e Drogaria São Leopoldo são autuadas pelo Procon
Geral
Veja como se cadastrar para concorrer a sorteio de casas da Agehab
Oportunidade
Prefeitura abre concurso com salário de R$ 10 mil