Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

Câncer de ovário tem sintomas discretos e pode evoluir rapidamente

Especialista do Centro Paulista de Oncologia CPO – Grupo Oncoclínicas alerta sobre os principais sinais da doença

17 fevereiro 2019 - 09h50Assessoria

Pouco se ouve falar sobre câncer de ovário, mas atualmente é considerado o tumor ginecológico mais difícil de ser diagnosticado em fases iniciais e por isso, combatido. De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), serão registrados em 2018 no Brasil aproximadamente seis mil novos casos de câncer de ovário, sendo que, cerca de 70% destes, o diagnóstico se faz em estágios avançados da doença (III e IV).

De acordo com Michelle Samora, oncologista do Centro Paulista de Oncologia CPO – Grupo Oncoclínicas, o câncer de ovário possui maior incidência principalmente em mulheres acima dos 60 anos e o risco de uma mulher desenvolver este câncer ao longo da vida é de 1,3%.

Entre os fatores que contribuem para um risco aumentado desta doença estão a primeira menstruação precoce (abaixo dos 12 anos), menopausa tardia (acima dos 52 anos), obesidade e tabagismo. Por outro lado, a gravidez, a amamentação e o uso de contraceptivos orais agem reduzindo o risco de do câncer de ovário. "Estudos recentes demonstraram que mulheres que fizeram uso contínuo de anticoncepcionais por período superior a cinco anos, houve uma diminuição em até 60% da incidência deste de câncer", diz Michelle Samora.

Cerca de 15% dos tumores ovarianos são decorrentes da predisposição genética hereditária, herdada de pai ou mãe. No entanto, a especialista ressalta que as mutações genéticas que predispõe ao câncer de ovário podem não se limitar a mulheres com um forte histórico familiar da doença. De fato, cerca de 1/3 das pacientes portadoras da mutação do gene BRCA (principal gene envolvido no surgimento desta doença) não apresentam sequer um familiar portador de câncer. É por este motivo que ao se realizar o diagnóstico de câncer de ovário, todas as mulheres devem ser testadas geneticamente.

Aquelas mulheres sabidamente portadoras de mutação no gene BRCA tem um risco de desenvolver o câncer de ovário ao longo da vida de 25 a 45%, muito acima do risco de uma mulher não portadora de alteração genética. "Nesta situação, é possível indicar medidas como a cirurgia preventiva de retirada dos ovários e tubas uterinas, uma vez que este procedimento reduz em 96% o risco de desenvolvimento do câncer de ovário. Esta é uma decisão que deve ser tomada de forma conjunta pela paciente e seu médico", pontua a oncologista do CPO.

"O problema é que os sintomas, quando aparentes, são parecidos com os desconfortos do dia a dia da mulher e, na maioria dos casos, são deixados de lado. Por isso, é recomendado que a mulher procure um especialista caso perceba qualquer alteração, mesmo que pareça usual.", afirma Michelle Samora.

A definição do tratamento para pacientes com câncer de ovário depende do tipo e estágio da doença. "Em linhas gerais, a cirurgia ainda é o principal tratamento e a quimioterapia pode ser indicada, dependendo do caso, antes e/ou após a intervenção cirúrgica", explica a oncologista. "Em casos selecionados do desenvolvimento do câncer de ovário em idade fértil, o tratamento visando a manutenção da fertilidade feminina, deverá ser particularizado" finaliza.

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Campanha contra gripe volta a vacinar na segunda
Saúde
Pediatras querem revogar exigência do Teste da Linguinha
Saúde
Mutirão contra dengue nas Moreninhas acontece no sábado
Saúde
Pais e responsáveis podem levar crianças para vacinar contra a gripe
Saúde
Em uma semana, Três Lagoas registra 230 casos suspeitos de dengue
Saúde
Apenas duas UPAs têm pediatras na tarde desta quinta-feira
Saúde
Sesau convoca 64 médicos para reforçar atendimento, na capital
Saúde
Nesta quarta, duas UPAs atendem com clínicos e pediatras
Saúde
Fumacê percorre seis bairros nesta terça-feira
Saúde
Nesta terça, Três UPAs têm atendimento completo na capital

Mais Lidas

Polícia
Homem tem mãos decepadas, na fronteira
Polícia
Ex-radialista é morta com 24 facadas pelo sobrinho
Geral
Meningite mata jornalista conhecido em MS
Polícia
De "braços abertos", indígena é atropelada em rodovia