Menu
Busca quinta, 13 de agosto de 2020
(67) 99647-9098
TJMS agosto/20
Saúde

Policiais morrem mais por suicídio do que em confrontos, diz pesquisa

Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio e 87 morreram em confronto

11 setembro 2019 - 12h15Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

A 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta a exposição à violência fatal que os policiais brasileiros estão sujeitos.

Em 2018, 343 policiais civis e militares foram assassinados, 75% dos casos ocorreram quando estavam fora de serviço e não durante operações de combate à criminalidade.

A violência a que os policiais estão permanentemente expostos tem efeitos psicológicos graves. Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio, o número é maior do que o de policias mortos durante o horário de trabalho em confronto com o crime, que é de 87 casos..

 Cristina Neme, pesquisadora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que edita o anuário conta que no senso comum, o grande temor é o risco da violência praticada por terceiros, mas na verdade o suicídio está atingido gravemente os policiais e não está sendo discutido e enfrentado de forma global.

A pesquisadora lamentou. “É um problema muito maior que muitas vezes é silenciado. São os fatores de risco da profissão que levam ao estresse ocupacional. Eles passam por dificuldades que outras pessoas podem ter, mas que no caso do policial esses problemas, quando associados ao estresse psicológico da profissão e do acesso à arma, pode facilitar esse tipo de ocorrência”.

Letalidade

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra que houve queda de 10,43% de mortes violentas intencionais em 2018. Mas apesar da queda verificou-se que ao mesmo tempo cresceu em 19,6% o número de mortes decorrentes de intervenções policiais.

A ação da polícia é responsável por 11 de cada 100 mortes violentas intencionais no ano passado, quando 6.220 pessoas morreram após intervenção policial, uma média de 17 pessoas mortas por dia.

O perfil das vítimas repete a situação encontrada em outros anuários: 99,3% eram homens, quase 78% tinham entre 15 e 29 anos, e 75,4% eram negros.

Para a pesquisadora Cristina, os números correspondem a uma decisão superior de ação policial. “A atitude da liderança política é fundamental para reverter o quadro de letalidade e promover políticas de segurança mais eficazes", assinala a especialista que reclama de “discursos demagógicos e falaciosos que legitimam a prática da violência”.

Senar - agosto2020

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Dengue: MS tem três meses sem mortes, mas é o 2º no Brasil em incidência
Saúde
Aniversário de Campo Grande pode ser complicado, alerta secretária
Saúde
Santa Casa publica novas normas para acompanhantes de pacientes internados
Saúde
Fiéis oram em frente a Hospital por pastor enfermeiro com coronavírus
Saúde
Saiba onde pediatras e clínicos atenderão na manhã na capital
Saúde
MS tem 330 leitos de UTI disponíveis para tratamento da Covid-19
Saúde
Ao vivo: A live da vida - Eles venceram a Covid-19
Saúde
Guia de triagem para doação de sangue libera homossexuais
Saúde
MS está em alerta para tempo seco e baixa umidade do ar
Saúde
Não há solicitação de pesquisa ou registro da vacina russa no Brasil

Mais Lidas

Polícia
Negociação com homem que tenta suicídio, dura mais de 11 horas
Polícia
AO VIVO - Homem tenta se matar no Cophavilla
Geral
Bolsonaro corta 60% da verba destinada à Rede Globo
Polícia
Agora: Homem faz família de refém e fala em suicídio