Menu
Busca terça, 19 de novembro de 2019
(67) 99647-9098
Saúde

Policiais morrem mais por suicídio do que em confrontos, diz pesquisa

Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio e 87 morreram em confronto

11 setembro 2019 - 12h15Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

A 13ª edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública aponta a exposição à violência fatal que os policiais brasileiros estão sujeitos.

Em 2018, 343 policiais civis e militares foram assassinados, 75% dos casos ocorreram quando estavam fora de serviço e não durante operações de combate à criminalidade.

A violência a que os policiais estão permanentemente expostos tem efeitos psicológicos graves. Em 2018, 104 policiais cometeram suicídio, o número é maior do que o de policias mortos durante o horário de trabalho em confronto com o crime, que é de 87 casos..

 Cristina Neme, pesquisadora do Fórum Brasileiro de Segurança Pública que edita o anuário conta que no senso comum, o grande temor é o risco da violência praticada por terceiros, mas na verdade o suicídio está atingido gravemente os policiais e não está sendo discutido e enfrentado de forma global.

A pesquisadora lamentou. “É um problema muito maior que muitas vezes é silenciado. São os fatores de risco da profissão que levam ao estresse ocupacional. Eles passam por dificuldades que outras pessoas podem ter, mas que no caso do policial esses problemas, quando associados ao estresse psicológico da profissão e do acesso à arma, pode facilitar esse tipo de ocorrência”.

Letalidade

O Anuário Brasileiro de Segurança Pública registra que houve queda de 10,43% de mortes violentas intencionais em 2018. Mas apesar da queda verificou-se que ao mesmo tempo cresceu em 19,6% o número de mortes decorrentes de intervenções policiais.

A ação da polícia é responsável por 11 de cada 100 mortes violentas intencionais no ano passado, quando 6.220 pessoas morreram após intervenção policial, uma média de 17 pessoas mortas por dia.

O perfil das vítimas repete a situação encontrada em outros anuários: 99,3% eram homens, quase 78% tinham entre 15 e 29 anos, e 75,4% eram negros.

Para a pesquisadora Cristina, os números correspondem a uma decisão superior de ação policial. “A atitude da liderança política é fundamental para reverter o quadro de letalidade e promover políticas de segurança mais eficazes", assinala a especialista que reclama de “discursos demagógicos e falaciosos que legitimam a prática da violência”.

Athus Ingles

Deixe seu Comentário

Leia Também

Saúde
Segunda fase da campanha de vacinação contra o sarampo começa hoje
Saúde
Dez pediatras e 41 clínicos atendem nesta manhã na capital
Saúde
Homens possuem menor confiança em vacinas, segundo estudo
Saúde
Novo boletim epidemológico é divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde
Saúde
Em quatro UPAs, 22 pediatras atendem nesta manhã de sábado
Saúde
Saúde lança campanha para prevenir a obesidade infantil
Saúde
Dez pediatras atendem na capital nesta manhã de feriado
Saúde
Alongamento de cílios e micropigmentação podem causar queimaduras em exames
Saúde
Duas UPAs terão atendimento infantil nesta manhã
Saúde
Sexta ocorre a primeira marcha da maconha medicinal na capital

Mais Lidas

Polícia
Aos 84 anos, "vovó" é presa dirigindo bêbada após sair de baile
Polícia
Jovem morre fuzilado e mulher é ferida por estilhaços
Polícia
Jovem motociclista morre após bater em meio-fio e ser arremessado em rio
Geral
Ingrid está desaparecida há mais de 20 dias e mãe faz apelo