Menu
Busca sábado, 19 de junho de 2021
(67) 99647-9098
Senar - junho21
Brasil

Aborto: “Só em casos de estupro e violência”, diz Simone

Em entrevista ao JD1 Notícias, a senadora ressaltou que “não admite retrocesso”

15 fevereiro 2019 - 19h08Da redação

A presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senadora Simone Tebet (MDB-MS), já designou uma relatora para dar continuidade às discussões a respeito da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), para impedir hipótese de aborto legal no Brasil.

Em entrevista ao JD1 Notícias nesta quinta-feira (15), Simone destacou que a PEC, de autoria do ex-senador Magno Malta (PR-ES), foi desengavetada nesta semana, com compromisso de “não proibir a interrupção da gravidez em caso de estupro e violência”. “Isso para mim seria um retrocesso que eu e a bancada feminina não admitiríamos”, disse sobre a proibição nos casos específicos.

O objetivo de ter desengavetado a PEC, segundo a senadora, foi impedir que o Judiciário decidisse sobre a proposta. Ela destacou que “não é papel da Justiça legislar e decidir”. Simone explica que o projeto propõe, em um de seus incisos, garantir o direito à vida desde a sua concepção, ressalvados os casos já previstos no código penal. “Nessa ressalva, vem os casos de estupro e situações nas quais você coloca a mulher em risco da própria vida, nesses casos obviamente o aborto se faz necessário e é o direito da mulher decidir se vai levar a gestação adiante ou não”, pontuou.

Para Simone, fora esses casos, a mulher tem a absoluta liberdade sobre o próprio corpo. “Mulheres tem seus direitos até o momento que começa o direito do outro, no caso o feto”, disse. Simone ressalta que cabe ao estado dar suporte para que a mulher leve a gestação de uma gravidez não desejada quando, não ela não tiver condições. “O estado tem o dever de prepará-la psicologicamente para uma adoção, se não quiser ficar com a criança, é um direito também que lhe assiste”, disse.

Simone conclui que esse não é um “posicionamento radicalizado” e sim a busca por meio termo pra tudo. “Essa moderação vai ser decisiva”, finalizou. A relatora escolhida para dar prosseguimento à PEC, na CCJ, é a senadora Juíza Selma (PSL-MT).

Senar - square junho21

Deixe seu Comentário

Leia Também

Brasil
Covid: Brasil tem 2º maior número de casos em 24h
Brasil
Entra em vigor lei que prorroga regras de reembolso de passagens aéreas
Brasil
Prints do WhatsApp Web não podem ser usados como prova, decide STJ
Brasil
Em viaduto, grupo ora pela prisão de serial killer
Brasil
Caça a 'serial killer do DF', chega ao nono dia com centenas de policiais
Brasil
CPI da Pandemia quebra sigilo de documentos com nomes de empresários
Brasil
Polícia encontra corpo de ex-parceiro de dupla de Cristiano Araújo
Saúde
“Não precisa que professores estejam vacinados”, diz Queiroga sobre aulas presenciais
Brasil
Homem obriga mulher de amigo a fazer sexo oral e leva surra em delegacia
Brasil
Aneel prorroga proibição de corte de luz por inadimplência

Mais Lidas

Saúde
"É preciso dizer não", diz adjunta da saúde sobre festas na capital
Geral
Jovem de 27 anos morre após complicações da Covid-19
Polícia
Serial Killer: polícia encontra carta dizendo que muita gente deveria morrer
Saúde
Covid - Prefeitura abre cadastro para vacinação de adolescentes