Menu
Menu
Busca domingo, 21 de julho de 2024
Secovi - Julho24
Brasil

Aborto: “Só em casos de estupro e violência”, diz Simone

Em entrevista ao JD1 Notícias, a senadora ressaltou que “não admite retrocesso”

15 fevereiro 2019 - 19h08Da redação    atualizado em 15/02/2019 às 19h12

A presidente da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senadora Simone Tebet (MDB-MS), já designou uma relatora para dar continuidade às discussões a respeito da Proposta de Emenda Constitucional (PEC), para impedir hipótese de aborto legal no Brasil.

Em entrevista ao JD1 Notícias nesta quinta-feira (15), Simone destacou que a PEC, de autoria do ex-senador Magno Malta (PR-ES), foi desengavetada nesta semana, com compromisso de “não proibir a interrupção da gravidez em caso de estupro e violência”. “Isso para mim seria um retrocesso que eu e a bancada feminina não admitiríamos”, disse sobre a proibição nos casos específicos.

O objetivo de ter desengavetado a PEC, segundo a senadora, foi impedir que o Judiciário decidisse sobre a proposta. Ela destacou que “não é papel da Justiça legislar e decidir”. Simone explica que o projeto propõe, em um de seus incisos, garantir o direito à vida desde a sua concepção, ressalvados os casos já previstos no código penal. “Nessa ressalva, vem os casos de estupro e situações nas quais você coloca a mulher em risco da própria vida, nesses casos obviamente o aborto se faz necessário e é o direito da mulher decidir se vai levar a gestação adiante ou não”, pontuou.

Para Simone, fora esses casos, a mulher tem a absoluta liberdade sobre o próprio corpo. “Mulheres tem seus direitos até o momento que começa o direito do outro, no caso o feto”, disse. Simone ressalta que cabe ao estado dar suporte para que a mulher leve a gestação de uma gravidez não desejada quando, não ela não tiver condições. “O estado tem o dever de prepará-la psicologicamente para uma adoção, se não quiser ficar com a criança, é um direito também que lhe assiste”, disse.

Simone conclui que esse não é um “posicionamento radicalizado” e sim a busca por meio termo pra tudo. “Essa moderação vai ser decisiva”, finalizou. A relatora escolhida para dar prosseguimento à PEC, na CCJ, é a senadora Juíza Selma (PSL-MT).

Reportar Erro

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cavalcante (GO) - Comunidade quilombola Kalunga do Engenho II
Brasil
Brasil tem 7,6 mil comunidades quilombolas, aponta IBGE
Imagem ilustrativa
Brasil
Brasil registrou 1 crime de estupro a cada 6 minutos em 2023
Apresentar e dono do SBT, Silvio Santos
Brasil
Internado desde terça, Silvio Santos deve receber alta até amanhã, diz site
Plano Brasil Sem Fome -
Brasil
Brasil apresenta proposta de aliança global contra a fome e a pobreza
Governo Federal autoriza Força Nacional atuar em conflitos fundiários em MS
Interior
Governo Federal autoriza Força Nacional atuar em conflitos fundiários em MS
Imagem Ilustrativa -
Brasil
STJ reafirma que uso de celular por preso em trabalho externo não é falta grave
Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070
Brasil
Com ritmo atual, universalização do saneamento ocorrerá em 2070
Nego Di
Brasil
Influenciador Nego Di é preso por golpe de R$ 5 milhões
Imagem Ilustrativa
Brasil
CNJ pede explicações após Justiça negar aborto legal a adolescente estuprada de 13 anos
Polícia segue com operações para desmantelar grupos criminosos
Brasil
PF investiga grupo que usava sistema da Abin para espionagem

Mais Lidas

Aeroportos, como o de Madri, na Espanha, foram os locais mais afetados com o apagão
Geral
Apagão cibernético 'para o mundo' e deixa bancos, aeroportos e serviços inoperantes
Reprodução/Instagram
Esportes
Dispensado pelo Athletico, Bruninho Samudio assina com o Botafogo
A nova edição será neste sábado (20), em Campo Grande
Comportamento
'Desapega Campo Grande' vai reunir mais de 100 expositores com peças a partir de R$ 1
JD1TV: Será? Vídeo de supostas cenas de sexo de Mel Maia com traficante vaza na internet
Brasil
JD1TV: Será? Vídeo de supostas cenas de sexo de Mel Maia com traficante vaza na internet