Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
(67) 99647-9098
Gov - Estado que Cresce (set21)
Cultura

Som da Concha recebe General R3 and the Black Family neste sábado

Show #negãotábem promete riqueza de sonoridades, rimas sucintas e letras reflexivas

15 setembro 2021 - 15h42Méri Oliveira

O projeto Som da Concha recebe neste sábado (18) o show #negãotábem, de General R3 and the Black Family, a partir das 19 horas, na concha acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas, na Capital. 

Com a voz grave, marcante e inesquecível de General, a proposta do show é totalmente autoral, incluindo várias vertentes do rap, soul, passando pela MPB, até chegar ao berço do samba, um dos ritmos mais cheios de brasilidade, e com o toque mais do que especial das rimas do cantor, tocam o coração e a mente ao falar sobre coisas mais leves do cotidiano em contraponto com a densidade da pesada luta do povo negro contra o preconceito.

Além de tudo isso, os vocais são marcados, ainda, pela voz doce, porém também poderosa e versátil de Vivi Calazans, que abrilhanta e encanta nos refrões que resultam da multiplicidade sonora, qualidade das letras que levam, invariavelmente, a reflexões, e o som é marcado pelo talento dos instrumentistas que se dedicam ao que fazem com a alma. 

O show #negãotábem fala não somente sobre a luta, mas principalmente sobre a vitória do negro, e sempre afirma: "O negão tá…" com letra sucinta e ritmo empolgante que leva a refletir, inclusive, sobre os navios negreiros e toda a construção sociocultural que vemos hoje. 

Em relação às expectativas para o show, Rodrigo Castejon falou à Reportagem do JD1 Notícias: "A expectativa em relação ao show é muito boa, não só por mim, mas por todos os negros do estado. Por muitas vezes, tem muito negro com talento - na periferia ou não -, que não teve a oportunidade de passar no edital do Som da Concha, de consegui ter a arte remunerada - e vai além de ter a arte remunerada - de conseguir propagar os dizeres deles, e a gente passar com esse conteúdo #negãotábem, enfatizando que o negro tá bem, que hoje em dia cada um assume sua postura, a gente tá deslanchando, e o sucesso nem sempre é dinheiro. Eu falo no sucesso de viver, o sucesso individual, o sucesso de poder andar com o cabelo 'armado' sem ninguém ficar reparando, isso sim é o #negãotábem", pontua o cantor.

General R3 and The Black Family

Para quem ainda não conhece o General R3 and The Black Family, o grupo surgiu com o trabalho de Rodrigo Castejon, o General R3. Natural da cidade de Patrocínio Paulista (SP), Rodrigo cresceu e trabalhou na área rural da cidade até os 14 anos, quando mudou-se para Franca (SP), para morar com sua avó e tentar trabalhar em outras áreas, pois queria algo mais, algo além da rotina do campo.

Nessa mesma época, teve o primeiro contato com a arte, quando conheceu o movimento Hip Hop e começou a atuar como dançarino de Breaking. Conforme o tempo passou, Castejon viveu adversidades que o levaram para a situação de rua. Mas, apesar das dificuldades, fez da cultura Hip Hop seu alicerce e mola propulsora para a mudança de vida. 

No fim dos anos 90 criou suas primeiras rimas e fez delas sua arma de transformação. Convicto do que queria, foi produzindo seu material, criando projetos diversos, até começar a realizar sonhos a partir do anseio de materializar a cultura que tanto o elevou, por meio de suas poesias e rimas.

Já são 22 anos de carreira, onde o General enumera participações em eventos relevantes no cenário musical do hip hop, entre elas, clipes e festivais como “Encontro de todas as tribos SP”, “FLIB” (Festival Literário em bonito), “Festival Hora Rap” em Dourados, três edições do “Festival Expressão de Rua” e muito mais.

Entre os trabalhos produzidos estão dois álbuns: Arte. 32 (2015); Biopoesia (2019) e parcerias com Jerry Espíndola, Guarany Evanio, Marina Peralta, Rodrigo Teixeira, Juci Ibanez , Romário Amorim, Luis Ávila, entre outros.

The Black Family, no entanto, chegou com a produção musical e artística de Ricardo Agra (músico, compositor e produtor musical), produção vocal e backing vocal de Eduardo Oliveira e Vivi Calazans. O nome do projeto musical se dá pela influência de soul e black music, num mix com toda a diversidade da sonoridade da música brasileira nos vocais.

Serviço: 

O show será realizado neste sábado (18), a partir das 18 horas, na Concha Acústica Helena Meirelles, no Parque das Nações Indígenas, por ordem de chegada, e pode ser assistido por meio do Canal da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul no YouTube.

 

Gostou e também tem uma sugestão de pauta bacana? Encaminhe pelo WhatsApp –(67) 99647-9098 - do JD1 Notícias, meio de interação do leitor com a redação. Ou, clique aqui e envie agora.

Unica - inverno

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Evento com food truck e veículos raros acontece neste fim de semana na Capital
Cultura
Primeiro fim de semana com 'tudo liberado' promete agitar a Capital
Cultura
Batalha de Bandas acontece neste sábado para público 100% vacinado
Cultura
Fim de semana: Som da Concha, shows de rock, sertanejo e MPB agitam a Capital
Cultura
O adeus a uma lenda do blues sul-mato-grossense: Zé Pretim é encontrado morto em casa
Geral
Livro com a vida do ‘Seu Thomaz das esfihas’ será lançado hoje
Vídeos
Vídeo: Inês Brasil é ‘expulsa’ de “A Fazenda” e viraliza nas redes sociais
Cultura
Vídeo: Dupla Índio e Half chega ao fim após 15 anos
Cultura
Programa MS Cultura Cidadã encerra inscrições na sexta
Cultura
Inscrições para Prêmio Ipê de Teatro podem ser feitas até outubro

Mais Lidas

Cidade
Incêndio atinge margens do rio Paraguai em Corumbá
Clima
Tempestade faz temperatura despencar 15 graus e destelha apartamento em Campo Grande
Polícia
Mulher é agredido e esfaqueia pênis de marido
Polícia
Homem é assassinado a tiros por dívida de R$ 100,00