Menu
Busca terça, 07 de abril de 2020
(67) 99647-9098
TJMS Topo
Justiça

Jallad é excluído das testemunhas de defesa de Jamil Name

Defesa sustenta que foi um “equívoco” colocá-lo no rol

27 novembro 2019 - 08h41Da redação

A defesa do empresário Jamil Name solicitou a exclusão do desembargador aposentado, Abdalla Jallad, do rol de testemunhas, na ação penal que corre contra o chefe da milícia por crimes do sistema nacional de armas.

No documento encaminhado à 1ª  Vara Criminal Residual da Comarca de Campo Grande, a defesa sustenta que o ex-magistrado foi incluído como testemunha “equivocadamente”.

Além de Jallad, os advogados de Jamil solicitaram oitivas com mais dois magistrados aposentados, Carlos Stephanini e Joenildo de Souza Chaves, que já presidiu o TJ,  o médico Luis Antônio Simões, o empresário José Alberto Franco da Silva, os comerciantes Antônio Carlos de Alcântara e Márcio dos Santos Kutenberg, além do pecuarista Marcos Marcelo dos Anjos Martins, todos residentes de Campo Grande.

Os demais citados permanecem no rol de testemunhas.

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
TJ-MS doa R$ 1,5 milhão para ajudar no combate ao coronavírus em MS
Justiça
Alexandre Magno comandará MP em MS
Justiça
Igrejas que abrirem no final de semana pagarão multa de 50 mil
Justiça
Urgente - Justiça federal de SP proíbe cortes de telecomunicações, gás e água
Justiça
Homem terá que pagar 20 mil por postar fotos nuas de ex
Justiça
Prefeito tem bens bloqueados após distribuir cestas básicas em bairros pobres
Justiça
MP sofre derrota no TJ em ação para fechar igrejas
Justiça
Justiça condena seguradora e oficina a pagar R$ 27,3 mil à cliente
Justiça
Dinheiro de ações criminais em Três Lagoas será liberado para combate à coronavírus
Justiça
Justiça proíbe manifestações, e multa chega a R$ 100 mil para quem desobedecer

Mais Lidas

Saúde
Mandetta permanece na Saúde
Saúde
Mais uma idosa morre de coronavírus em MS
Política
Seguro-desemprego poderá ser pago por até dez meses
Brasil
Brasil tem 553 mortes e 12.056 casos confirmados de coronavírus, diz ministério