Menu
Busca quarta, 26 de junho de 2019
(67) 99647-9098
Justiça

Remédios de alto custo são regulamentados pelo STF, mas médico prevê confusão

O médico Educardo Marcondes, da capital, não concorda com a decisão e diz que haverá morosidade em processos

23 maio 2019 - 09h25Rayani Santa Cruz, com informações do ConJur

O Plenário do Supremo Tribunal Federal, definiu na quarta-feira (22), que é solidária a responsabilidade da União, dos estados e dos municípios para pagar remédios de alto custo e tratamentos médicos oferecidos pela rede pública, reafirmando sua jurisprudência sobre o assunto. Na prática, dizer que a responsabilidade pelo fornecimento é solidária significa que não existe hierarquia entre as obrigações: todos são obrigados a socorrer todos. Portanto, ações judiciais podem ser dirigidas tanto à União quanto aos estados ou municípios.

Votaram pela solidariedade os ministros Luiz Edson Fachin, que apresentou voto-vista nesta quarta, dando início ao julgamento, Rosa Weber, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Marco Aurélio. Contra a solidariedade ficaram o relator, Luiz Fux e os ministros Luís Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e o presidente Dias Toffoli. O ministro Celso de Mello não estava presente.

Em entrevista ao JD1 Notícias, o médico pediatra, Eduardo Marcondes, disse que, esta questão de fornecimento solidário, não dá certo, pois, será uma forma de passarem a responsabilidade de um para o outro.

  “Segundo a lei que criou o SUS (8.080), é responsabilidade da União. Mesmo porque é através da Anvisa que tais medicamentos são liberados, e quem mantém o controle da Anvisa é a União que tem uma política de importação desses medicamentos raros. A união deveria por meio de laboratórios fazer convênios, retirando o custo de patente e outras questões que encarecem o remédio”, explicou o pediatra.

 

Para ele, os estados e municípios estão falidos e não teriam condições de arcar. Além disso, a demora para o paciente conseguir a medicação seria maior, já que entraria com ações nas três esferas até conseguir. “Os medicamentos de alto custo ,tem de ser de responsabilidade da União, através de análise do Fundo Nacional de Saúde”.

O ministro Luís Roberto Barroso, que votou contra a solidariedade, afirmou que existem demandas em que o medicamento ou o tratamento prescrito não está previsto pelo Ministério da Saúde ou a Anvisa. Nestes casos, a ação deve ser proposta apenas em face da União. Quando é caso de direito violado, no entanto, deveria-se, na visão do ministro, observar quem o violou.

Assembleia para todos - junho-19

Deixe seu Comentário

Leia Também

Justiça
STF rejeita recurso que anularia condenação de Lula
Justiça
STF volta atrás e vai julgar HC de Lula nesta terça
Justiça
STF adia julgamento de habeas corpus de Lula
Justiça
Juíza determina internação de suposto líder do PCC em clínica particular
Justiça
Google é condenado a pagar R$ 30 mil a campo-grandenses
Justiça
Najila comparece à delegacia com novo advogado
Justiça
Toffoli marca julgamento sobre porte de drogas e frete rodoviário
Justiça
Alexandre de Moraes suspende ações sobre demissão imotivada em estatal
Justiça
Juiz absolve garçom que esfaqueou Bolsonaro e manda interná-lo
Justiça
Incluindo figuras políticas, lista de testemunhas do "caso cheque" chama a atenção

Mais Lidas

Polícia
Vídeo – ex-policial é executado no estacionamento do Shopping China
Polícia
Pilar de concreto cai e mata criança deitada em rede
Cidade
Supermercado Real é autuado pela venda de produtos vencidos
Polícia
Homem é atendido com faca cravada no crânio em MS