Menu
Busca domingo, 21 de abril de 2019
(67) 99647-9098
Cultura

Cinema d(e) Horror exibe o filme espanhol 'Volver' nesta quarta-feira

09 maio 2012 - 10h11Divulgação

O projeto Cinema (d)e Horror exibe hoje (9), o filme espanhol “Volver”, às 18h30, na sala Rubens Corrêa do Centro Cultural José Octávio Guizzo. A entrada tem o valor simbólico de R$ 1,00.

O filme
“Volver” (Espanha/2005/121min/14anos) - dirigido por Pedro Almodóvar, se passa em Madri, onde Raimunda é uma jovem mãe, bastante trabalhadora e atraente, mas também frágil emocionalmente, pois guarda um segredo terrível desde sua infância. Vive com um marido desempregado e uma filha em plena adolescência.

As finanças familiares não vão muito bem, e assim Raimunda tem diversos empregos. Sua irmã Sole é um pouco mais velha. Tímida e receosa, ela ganha vida com um salão de beleza ilegal. Seu marido a abandonou e fugiu com uma cliente e desde então ela vive sozinha.

Paula é tia delas e mora em uma aldeia em La Mancha, onde toda a família nasceu. Uma aldeia castigada pelos ventos leste, a causa direta do alto índice de insanidade registrado lá e responsável pelos diversos incêndios que devastam a área em todos os verões. As duas irmãs vivem situações inesperadas, intensas, melodramáticas, cômicas e emocionantes.

“A morte, o óbito, o falecimento ou passamento, ou ainda desencarne são termos que se podem referir quando tratamos do cessamento das atividades biológicas imperativas à conservação da vida de um organismo. As alegorias comuns da morte são o Anjo da Morte e a cor negra. No entanto o cineasta espanhol Pedro Almodóvar nos expõe outra forma de visão em relação à morte”, explica o mediador do debate, André Rezende Benatti, mestrando em Letras: Estudos Literários da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) do campus de Três Lagoas.

“Em Volver a morte é o tema principal, e esta é tratada não por valia de ambientações escuras e alusões ao noturno e ao obscuro, Almodóvar nos coloca diante de uma explosão de cores. A película perpassa por pontos de uma dialética entre o conhecimento e o desconhecimento, a percepção e a cegueira, o passado e o presente, o erotismo e a violência, a vida e a morte. Portanto propomos uma leitura fílmica na qual o horror ao desconhecido assim como ao passado, que foi esquecido, confluam em relação à morte”, finaliza o mediador.

Cinema d(e) Horror
O Cinema d(e) Horror está em seu 5º ano, sendo coordenado pela Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (Propp) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, através da professora doutora Rosana Cristina Zanelatto Santos e Rodrigo Kruppa, acadêmico do curso de Letras da UFMS e vice-coordenador do projeto.

Geralmente tem duas exibições mensais e conta com a participação de graduandos e mestrandos da área de Letras da UFMS ou convidados especiais para as exibições e debates de filmes que tratam da categoria "Horror" no plano das artes, contando também com a participação da sociedade campo-grandense.

Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3317-1795 ou no Centro Cultural José Octávio Guizzo, que fica localizado na rua 26 de Agosto, 453, entre as ruas Calógeras e a 14 de Julho.

Via Notícias MS

pmcg - prestação de contas

Deixe seu Comentário

Leia Também

Cultura
Museu Casa Pontal aguarda decisão de prefeitura para retomar obras
Cultura
Imigrantes venezuelanos e líderes de igreja organizam evento
Cultura
Número de indígenas na faculdade é nove vezes maior que 2010
Cultura
Livro sobre heroína indígena criada na capital é uma boa opção para leitura
Cultura
Balneários municipais de MS são opções para passar o feriadão
Geral
Curso grátis de fotografia é aberto no MIS
Cultura
Semana cultural tem cinema e música instrumental no Sesc
Cultura
Bosque dos Ipes abre espaço para exposição indígena
Cidade
Praça Ary Coelho vira palco de muita música e atrações neste sábado
Cultura
No Autódromo, Marquinhos ressalta turismo de eventos

Mais Lidas

Polícia
Corpo de mulher é encontrado amarrado em árvore às margens da BR-262
Polícia
Homem tem mãos decepadas, na fronteira
Polícia
Ex-radialista é morta com 24 facadas pelo sobrinho
Geral
“Em tempos de crise a solução é inovar”, diz empresária