Menu
Busca domingo, 12 de julho de 2020
(67) 99647-9098
Governo dengue 02 - Atitude
Educação

Número de jovens que não estudam nem trabalham aumentou em 2018

Entre os jovens de 18 e 24 anos, a incidência chega a 27,9% e nos jovens adultos, de 25 a 29 anos, a taxa de nem-nem é de 25,9%

06 novembro 2019 - 13h13Priscilla Porangaba, com informações da Agência Brasil

Em 2018, 23% dos jovens de 15 a 29 anos - 10,9 milhões - não estudavam, nem trabalhavam, os chamados nem-nem, segundo dados foram divulgados nesta quarta-feira (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na pesquisa Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2019, que analisa as condições de vida da população brasileira.

Entre os jovens de 18 e 24 anos, a incidência chega a 27,9% e nos jovens adultos, de 25 a 29 anos, a taxa de nem-nem é de 25,9%. Segundo o IBGE, o fenômeno é fortemente influenciado pela interrupção dos estudos.

Os dados mostram que dos jovens de18 a 24 anos nessa condição, 46,6% não tinham concluído o ensino fundamental e 27,7% terminaram apenas essa etapa. Na faixa entre 25 e 29 anos, a proporção é de 44,1% e 31,2%, respectivamente. Dos jovens que concluíram o ensino médio, há mais nem-nem entre quem fez ensino regular do que entre os que concluíram o ensino técnico.

O gerente da pesquisa, André Simões, explica que o fenômeno dos jovens que não estudam e não estão ocupados é estrutural. “É um segmento estrutural, porque tem fatores que dependem de políticas específicas para que haja redução. Por exemplo, há um percentual elevado de mulheres, mulheres com filhos e também mulheres que realizam afazeres e cuidados domésticos que impedem que elas possam ir para o mercado de trabalho”.

Se entre os homens de 25 a 29 anos nessa condição 51,5% estavam desocupados, ou seja, buscavam trabalho, entre as mulheres na mesma idade a maior proporção está fora da força de trabalho, com 67,7% delas sem procurar trabalho. Segundo o IBGE, entre as justificativas apresentadas para não procurar ocupação remunerada estão os afazeres domésticos e o cuidado de filhos ou parentes.

Os dados do IBGE revelam que 2,4 milhões de jovens estão na situação de não estudar, não estar ocupado e não procurar trabalho. Entre esses, 57,4% estavam em desalento, provocado principalmente por falta de trabalho na localidade (39,6%), não conseguir emprego considerado adequado (10,7%) ou não ter experiência ou qualificação profissional (6,1%).

O recorte por rendimento demonstra a desigualdade social também nesse quesito. Entre os jovens que integram os 20% da população com menores rendimentos domiciliares per capita, 42,3% estavam na situação nem-nem em 2018; de 20% a 40% eram 29,2%; entre 40% e 60% somavam 18,3%; com rendimento de 60% a 80%, 10,1% dos jovens estavam nessa situação; e entre os 20% com os maiores rendimento a proporção é de 7%.

A taxa de desocupação geral no país em 2018 estava em 12%, mas no grupo de 14 a 29 anos chegou a 22,6% em 2017 e fechou 2018 em 22,3%.

PMCG Refis

Deixe seu Comentário

Leia Também

Educação
Presidente da Fundect é eleito diretor do Conselho Nacional de Pesquisas
Educação
IEL oferece 41 vagas de estágio para acadêmicos de 11 cursos no MS
Educação
Bolsonaro nomeia Milton Ribeiro como ministro da Educação
Educação
Pagamento das parcelas do Fies estão suspensas até 2021
Educação
Inep divulga documento sobre proficiência em língua portuguesa
Educação
Inscrições para o Sisu terminam hoje
Educação
MEC adia Enem para janeiro de 2021
Educação
Escola do Sesi de Maracaju promove sarau de poesia virtual
Educação
Inscrições para o Sisu começam hoje
Educação
A partir de hoje, estudantes com Fies podem suspender parcelas

Mais Lidas

Esportes
Conmebol anuncia retorno da Libertadores para 15 de setembro
Internacional
Filho de Naya Rivera diz que viu a mãe 'desaparecer' no lago
Geral
Famosa, naja que picou estudante ganha ensaio e vira meme na web
Polícia
Casal de adolescentes é acusado por furto de notebooks, videogames e veículos